quinta-feira, 30 de junho de 2016

Síndrome do emigrante...

É não ligar puto a futebol, não perceber quase nada do jogo, ter uma ligeira simpatia por um clube e mesmo assim não saber o nome dos jogadores nem nada que esteja relacionado com o mesmo mas ficar feliz da vida a "ver" o jogo da selecção em posts no site da UEFA e celebrar a vitória como se fosse uma adepta convicta! Ele há coisas...

Perspectivas...

 A brincar, a brincar ilustra-se qualquer coisa séria.

terça-feira, 28 de junho de 2016

São brocas de dentista nojóvidos (ou nojólhos)...

Uma pessoa entra numa brincadeira numa dessas plataformas sociais da moda.
Uma triálogo mordaz ao longo dia. Três pessoas (amigos) em três países. Muita risota e muita brincadeira à mistura. Antes de fechar o dia, um alguém perde o fio à meada e diz que se dispistou. Eu acho que acabou de espalhar-se ao comprido.
Oh, vida!

sábado, 25 de junho de 2016

Novidades da terra de Sua Majestade...

com direito a visitar o backstage e até a pisar o palco, uma molha daquelas tipo pinto e ver o consumismo desenfreado no primeiro dia de saldos de Verão no Harrods.


sexta-feira, 24 de junho de 2016

Live from London...

Ele é tempestades, inundações, referendum, a independência da Escócia e da Irlanda do Norte, milhares de pessoas nas ruas, estradas bloqueadas, um caos completo no trânsito.
Londres, cidade estado… de sítio!

quinta-feira, 23 de junho de 2016

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Era tão mais simples...

Pagavam-me o triplo, eu ficava a gerir aquela chafarica aqui de casa. Até poderia ser 24/7 e poupavam-me a beleza e os nervos com os disparates alheios. 
Seriously? É que só podem estar a brincar ou eu nunca vi tanta incompetência junta.

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Fazem-me de morta...

Algumas vezes, vá… não muitas, envio mails para diferentes destinatários que obrigam a uma resposta, no máximo e já estou a ser generosíssima, em seis horas e nada. Não recebo uma única resposta. Até parece que os estou a ver a assobiar para o ar.
Fico a pensar se morri e ando a enviar emails fantasma às pessoas, que coitadas, não os conseguem ver.
Quando avanço com a minha resposta ao meu próprio mail, é como um despertador. Acordam todos à mesma hora.