sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

E adeus 2010...


Lá porque estou para aqui doente como é raro (felizmente), com febre, tosse e dores que parecem não ter fim, e não vou ter nem confettis, nem passas, muito mesmo um champagne (buááááá), desejo mesmo que 2011 seja um ano especial (tenho cá um feeling). Para mim, 2010 foi um ano de aprendizagem, crescimento e algumas mudanças. Apesar de tudo, o balanço é positivo (eu e os meus óculos cor-de-rosa!!!), mas pronto, sou feliz assim!
Resoluções para 2011? Muitas... mas como estou inop, e a febre trouxe muita preguiça mental, fica para a próxima!

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

À chuva...

E mesmo com a maldita da gripe fui aliciada para dar um saltinho até ao Chiado (não contava era com compras e saldos e gente, montes de gente). Mas pronto, Chiado é um dos meus calcanhares de Aquiles e é difícil dizer não. Não vi a senhora crise, não senhora! Ou então estava mascarada de cartão de crédito e eu, distraída como só eu, não a vi! A bem da verdade, também não quero que ela, sequer, me cumprimente...
E, claro está, piorei... e tosse, muita tosse e agora vamos lá a ver se a febre ficou a tomar café com o Pessoa (tenho a certeza que ele não se importa) e não regressa.

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

E é Natal...

... e o ano passou a correr. Assim sem mais nem quê, estamos à beira de um novo ano. E tenho um bom feeling sobre 2011. Espera-se. O balanço é positivo, apesar de uns espinhos que fizeram questão de picar até sangrar, tudo ultrapassado e resolvido. Hoje é noite de surpresas que continuarão até amanhã! Amigos, famílias, doces, presentes, encontros, abraços e beijos. Mails, muitos mails a desejar um Feliz Natal a todos. Seria ainda melhor se desejássemos todos os dias um Feliz Hoje e Amanhã...
"Blessed is the season which engages the whole world in a conspiracy of love" - Hamilton Wright Mabie

sábado, 18 de dezembro de 2010

A história da carochinha...

... parece que nasci com o dito virado para a lua, tantas são as vezes que a senhora providência anda por perto. Também poderá ser a divina recompensa versus o eterno castigo que parece fazer parte desta vidinha sonolenta (não a minha, que não tenho tempo e ainda por cima sofro de insónias). Mas com diabos ou sem eles, justiça fez-se e parece que vou mesmo a caminho de ma maison. A ver vamos... mas pelo sim, pelo não, eu punha estas carochinhas todas no caldeirão!

Contra todos os diabos...

... quase, quase a chegar!

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Em ponto de rebuçado...

... e muito, muito triste!!! Decepcionada, magoada, irritada, possuída! Capaz de largar fogo ao primeiro que me diga o que não quero ouvir!
Os meus últimos três Natais foram passados em Moscovo, onde o dia 24 e 25 de Dezembro são dois dias iguais a tantos outros. O Natal russo é celebrado a 7 de Janeiro e são quase duas semanas de festas, que obviamente não incluem os nossos dois dias. E, para ser sincera, o Natal não me diz assim tanto. Graças a Deus, sou agnóstica e celebrações ocas e faz de conta que somos todos amiguinhos não fazem bem o meu género! Mas pronto, também gosto de um jantar generoso, uns presentinhos malandrecos e uma noite descansada em vez de passar o dia a trabalhar como se nada fosse. Este ano, e porque já há muito merecia, fui agraciada com o Natal e o Ano Novo em casa.
Mas claro, nem todos partilham do meu work ethics, e ontem uma colega adoeceu, hoje outra seguiu o exemplo e portanto, resta-me desfazer as malas e avisar que talvez para o ano eu consiga fazer magia e apareça em casa...

É Inverno...

só isso... todos se queixam que faz frio. É verdade, mas estamos no Inverno ou não? Por aqui faz frio à séria... Os últimos três invernos foram a brincar... temperaturas à volta dos zero graus, muita neve e às vezes lá os negativos apareciam. Depois foi a experiência na Sibéria e -45ºC. É frio, é muito frio, tanto frio! É tossir à cada inspiradela, pestanas congeladas, nariz... que nariz??? Não se sente nada...
Este ano Moscovo promete... em Novembro senti os -28ºC na pele...  Mas depois dizem-me... ah, tu tens vodka!!! E tenho, também, muitas encomendas (umas prontas outras pendentes), e os dedos cruzadíssimos para os senhores da alfândega não chatearem muito... quando e se eu conseguir chegar a tempo!!!

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

A milhas de distância...

Eu estou para aqui dormente com falta de sono e com incertezas absolutas e ele, acelerado, fala-me em máquinas de lavar roupa a vapor???!!!

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Preguiça total...

assim um fare niente nada dolce, mas pronto! Hoje foi dia de não fazer nada de produtivo. Cansadíssima, com a birra do sono ainda não curada, com os aborrecimentos do trabalhinho mal planeado (pelos outros) que eu tenho que resolver (tipo bombeirinho), com aquela dor de cabeça típica de ressaca que nunca chegou a existir (a não ser que a Perrier estivesse contaminada por um limão moscovita esquisito), com a moleza a atacar a cada ameaça de movimento brusco, hoje foi um dia deitado fora.

sábado, 11 de dezembro de 2010

Quanto mais o conheço...

Coleguinha rabo-de-saia-a-babar-a-atirar-para-o-chatinho-cada-dia-mais-intragável - Eu confio na Papoila! Ela não mente...

Moi-même - ???
Coleguinha rabo-de-saia-a-babar-a-atirar-para-o-chatinho-cada-dia-mais-intragável - Papoila, alguma vez me mentiu?
Moi-même - ... não preciso! (assim com um smirk trocista indicador de um reduza-se à sua insignificância, sim???!!!)

... mais vontade tenho que ele vá embora e não volte!

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

E que tem amigos assim...

Acabei de ser diagnosticada online (maravilhas deste mundo moderno): aparentemente tenho uma alma-maluca-gémea! Ainda não digeri bem... anda aqui às voltas!

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Arrrgghhh... (parte II)

Snowstorm and freezing rain... e os Nouvelle Vague cancelaram a noite em Moscovo!!! Mariquinhas...

Arrrgghhh...

Por ter acordado dois dias seguidos às 04.30 da manhã por razão nenhuma. Amanhã que tenho mesmo que acordar cedo, já antecipo a luta que vai ser com o despertador... mais dez minutos, mais dez minutos, mais dez minutos...

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Métodos diferentes...

Não sei como nem porquê, mas numa das minhas muitas viagens internéticas, vim parar aqui. Não tenho crianças em casa (nem fora), mas por curiosidade comecei a ler o texto (tenho umas amigas com bebés...). E talvez por isso tenha lido o testemunho da mãe da Beatriz e os comentários (todos) das suas seguidoras. O que me surpreendeu foi não ter conseguido parar de ler, tal era a catadupa de disparates que se apresentavam uns atrás dos outros (disparates... na minha opinião, claro). Ah, pois... mas tu não tens filhos... (já espero pela marretada virtual). É verdade, não tenho e é muito mais fácil falar que fazer e teorias românticas que nunca chegam à prática e tudo e tudo. Já sei. Muito obrigada! Mas parece-me que um pouco de bom senso - parece ter esgotado com a crise - não fazia mal nenhum a algumas destas mães. Vou voltar ao meu pedestal de papel, mas na minha investida para saber mais sobre as opiniões destas e de outras mães, fui a cada página ficando mais incrédula com tamanha sabedoria popular. Os argumentos, então, dignos de um óscar para MELHOR ARGUMENTO ORIGINAL e/ou ADAPTADO (à escolha). Uma perguntinha - vivemos no mesmo mundo???!!! É  que eu não me consigo identificar com a forma de pensar destas senhoras. Sou só eu que acho que deveria haver um exame para aferir a capacidade das pessoas para serem pais??? É que às tantas estamos mesmo a formar pessoas cada vez mais inaptas para este mundinho (já) tão coxo, não?

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Modernices...

... às quais não consigo habituar-me! Nem sei bem porquê! Acho que ainda não passei do prazo, estou na flor da idade - daí o Papoila ;). Mas há valores e educações (ou a sua falta) que simplesmente não consigo processar (ou entender). Hoje, no happy hour habitual, aconteceu ficar presa à conversa da mesa do lado, o que é raro. A cusquice não faz mesmo parte da minha essência (penso eu de que!). Mas uma conversa de três mulheres, duas da mesma faixa etária e uma mais nova, cobria-se de um ridículo inexplicável. Está certo que eram americanas (nada contra e gosto muito de ir passear aos USA), está certo que é outra cultura, outra forma de estar, outra história, outro mundo. Mas a presunção e consequente total falta de educação da interveniente mais nova (filha de uma das outras mulheres) acabou por deixar-nos a todos (seis) ligeiramente boquiabertos. A menina (nos seus vintes) entende o mundo como sua propriedade, com direito a manipular tudo e todos conforme seus desejos e vontades. A mãe ia aprovando a conduta da sua petiz... Se são estes os exemplos que vamos deixar em herança para o mundo futuro, estamos para lá de tramadinhos... Ai estamos, estamos!

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

A minha segunda casa...

... que não consigo que seja, por mais que tente (bem, não tento assim tanto!!!).

Este Verão foi assim...

Agora chegou o Inverno e ficou assim!

domingo, 5 de dezembro de 2010

Bolas, bolas, bolas...

... e voltando ao dia em que comprei 84 bolas de Natal para a minha árvore não ficar sozinha e com frio, lembro-me de ter ouvido no rádio do carro a crítica à entrevista (tentativa) de Hugo Cadete a Jorge Jesus. Pois que não gosto de futebol que, na minha muito pouco entendida e modesta opinião, não passa de um grandessíssimo lobby para alguns senhores fazerem figura e acumularem uns tostões. Pois que apesar de ser de Lisboa e quase todo o lisboeta ter um clube no coração, o meu continua vazio (em termos futebolísticos) e portanto não tenho favoritos nem preferidos e sou completamente isenta no que vou opinar.
Eu até considero o treinador Jorge Jesus um senhor que, coitado, não sabe comunicar muito bem. Engasga-se, repete-se e faz aqueles barulhinhos horríveis para entreter os ouvintes e dar-lhe tempo para pensar no que vai dizer a seguir (bengalas de comunicador). Mas não está sozinho. Parece ser requisito comum para entrar no mundo da bola. Falar pouco e mal. Mas gostei (amei) que ele mandasse o senhor Hugo Cadete à fava, quando este puxa dos seus galões de jornalista com poderes extra especiais para decidir toda e qualquer pergunta que lhe dê na real gana fazer...
É esta presunção/arrogância que cobre alguns jornalistas que escapa ao meu entendimento. Consideram-se uma classe acima dos mortais. É certo que a opinião pública tem muita força e eles, jornalistas, têm em mãos algum (muito) poder para manipularem as massas. Mas não serão todos. Alguns destacar-se-ão, sem dúvida, os outros (como em qualquer outra área) vão atrás. E como vivemos num mundo instântaneo e consumista, há quem se ponha em bicos de pé para aparecer, a qualquer custo. Até caírem no ridículo absoluto de ficarem a falar sozinhos. Então XAU!!!

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

We´ll always have Paris...


É só uma das minhas cidades preferidas... o cheiro, a arquitectura, a cultura, a gastronomia, as artes, as ruas, as cores, as luzes, o amor, o chocolate, a língua... Uma cidade a que não chamo HOME porque nunca vivi por aqui, pelo menos nesta vida. Talvez numa vida qualquer passada.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Em busca da árvore perfeita...

... e espera-se que à terceira seja de vez, porque não há paciência que aguente as caminhadas e o trânsito, o entra e sai de lojas, os empurrões, as filas de espera, o estacionamento ou a falta dele, e os sacos, sacos e mais sacos. Malditos sacos!
Há dois anos elegeu-se uma árvore preta mate.  Depois de montada era tão raquítica que fui de imediato devolvê-la. No ano passado, a escolha recaiu sobre uma slim dourada, muito elegante! Percebi de imediato a razão do seu nome. À volta da árvore ficou um tapete de fitinhas douradas a camuflar o chão! Que magrinha que a árvore ficou... Regressou ao ponto de partida rapidamente. Este ano, a árvore é originalmente verde com neve, muita neve! Vamos lá a ver o que o destino nos reserva... A mim e à árvore.
E para não se repetir o mesmo dos anos anteriores, adquiri nada mais nada menos que  83 bolas. Eram 84 mas uma chegou à maison feita em cacos. Tenho a certeza que esta árvore vai parecer compostinha...
É a derradeira tentativa de ter uma árvore de Natal normal e comercial em vez das pseudo artes dos últimos anos. Em linho,  feita por estas mãos de bruxa do lar ou em troncos verdadeiros trazida de Munique e com sérios riscos de ser revistada pelos aeroportos por onde passei... Não, não é uma kalashnikov, embora pareça...

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Mais um affair (outro)...

... parece-me que os meus cabelos andam a pular a cerca! Costumavam portar-se tão bem. Direitinhos, lisos como os anjos os fizeram... Agora embrulham-se com o primeiro que lhes aparece. Ele é cachecóis, echarpes, golas de lã, colares de metal... Dão nós que nunca mais consigo impôr respeito a S. Exas.. Estou aqui estou a cortá-los curtos e em vez de brushings faço mises e os seruns substituem-se por plixes. Acaba-se logo a maluqueira! Ou isso ou prendo-os num rabo de cavalo apertado! Espero que se assustem e que ganhem juízo, porque a Papoila é como o Sansão!

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Pobres, pobres, pobres...

... pobrezinhos de espírito e de uma tacanhez inversamente proporcional ao nosso tamanhinho! É o que nós somos. Nós, os portugueses!!! Se não me destaco por qualquer outra coisa, espero não ser este o troféu que traga para casa. A inveja é uma coisa tramada... e a Feiticeira resume de forma eloquente o que arde e queima o meu euzinho - Portugal é um penico cheio de invejosos!!! - noutro contexto, mas adaptável!
O que começou por ser uma amena cavaqueira entre amigos de longa data, transformou-se em debate de inveja pobrezinha e ridícula... E a gota de água que fez transbordar o copo e fez, também, perder a compostura de alguns intervenientes, foi ter sido mencionado um número. Um valor que refletia (hipoteticamente, mesmo hipoteticamente) um salário... Que um colaborador, alguma vez, pudesse ganhar mais que um chefe???!!! C'est pas possible... O ultraje dos ultrajes! Inaceitável, inexplicável, incompreensível! Pois, a empresa para a qual trabalho, é assim. E ainda bem que é assim. As variantes e variáveis são muitas e complexas, mas as pessoas são recompensadas em função da sua produtividade e não de um posto antigo e caduco. Mas, lá está, a empresa não é portuguesa! E sim, tenho a noção do quão previlegiada sou e agradeço todos os dias aos anjinhos, e sim, trabalho muito e muito e muito mesmo. Não me parece ser pela bonita cor dos meus olhos!
Eu sei que os ordenados em Portugal são vergonhosos... o que é chamado salário mínimo nacional é manifestamente insuficiente e indecente para uma vida digna, no meu entender. Mal chega para pagar a portagem obrigatória por passar por esta vidinha, mais para trás que para a frente. Quando se fala que estamos muito atrasados - em relação à Europa - não se pensa em investir mais em educação. Pilar base, na minha opinião, para o desenvolvimento de uma sociedade. Que quem não tem como pôr comida na mesa à família, como poderá preocupar-se com cultura, educação, investigação, motivação para mais e melhor! Claro, que há excepções. Mas e a regra? A regra não parece ser de três simples!!! Os valores não têm a mesma grandeza nem unidade.
O espírito parece ser o-vamos-acabar-com-os-ricos!!! Porque, já que eu não tenho, os outros também não podem ter! O avô, meu querido avô, diz o contrário. Porque querem acabar com os ricos? Vamos é acabar com os pobres... A inveja é mesmo uma coisa tramada... e corrosiva!

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Jamais (em francês)...

Ontem fui experimentar a loucura da parceria H&M e Lanvin e... parece-me que não vai acontecer segunda vez! Nunca tinha visitado um Stockmarket sequer. O meu cérebro limitadíssimo não consegue funcionar no meio de um caos de multidões desesperadas por uns trapos. Não consegui acordar cedo, como eventualmente deveria, para me pespegar na fila dos curiosos e fãs destas coisas. Calmamente apareci na loja por volta das 12.30 e, claro, havia uma fila, tímida para o que eu esperava,  mas logo logo percebi a razão. Então a dita fila era para os senhores das pulseiras que foram distribuídas à porta da H&M Chiado, onde a primeira pessoa chegou às 3.30 da manhã, somente 30 minutos após a minha pessoinha ter finalmente dito adeus ao dia e olá ao sono pouco reparador. A fila só abria para os desafortunados (ou preguiçosos) sem pulseira às 15.00. Quando regressei era a 3ª pessoa da fila dos pobrezinhos. Tudo mais que escolhido, algumas coisas sem interesse algum. Encontrei um vestido do meu tamanho sem graça nenhuma e o que me levou lá já só no tamanho 42, o que à Papoila serve de hula hoop.
Confesso que achei curioso o que move as pessoas a aderirem a estes mega marketings que servem para escoar uns largos metros de tecidos e promover mais ainda a(s) marca(s) que patrocinam estes eventos. No entanto, mesmo sem comprar nada e sem querer voltar a repetir a experiência, considero um quase estudo sociológico de fanáticos por compras (iguais), mesmo em tempo de crise... para compensar acabei por ir à AD e ganhei um vestidinho um bocadinho (só) mais exclusivo e sem filas de espera!!!

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Ele há coincidências...

...quase inexplicáveis!
Hoje vi a minha vida (ou o que poderia vir a ser) confortavelmente sentada na plateia, logo logo na primeira fila. Foi como ir ao cinema e ver um filme mais ou menos romanceado, mais dramático e mais cómico (por estar de fora). Como uma experiência de quase morte, mas ao contrário - dizem, quem já a teve! Um flashback, no meu caso flashforward. O destino, a vida ou as minhas anjas têm um sentido de humor muito especial e parece terem escolhido este episódio da novela da vida para me pouparem à minha possível realidade. Que posso pedir mais? Muito e muito obrigada. Vou tentar ter mais juízo!

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Portugal pobre, muito pobre...

Nestes affaires obrigatórios de gente que usa saias (também), há a necessidade de frequentar aqueles sítios que prometem beleza e bom aspecto, mas que normalmente (eu) saio de lá com a cabeça feita em papa (por dentro e por fora)! Na última visita ao Sr. Spa, e entre conversas de pêlos e cabelos, levo um murro no estômago (não literal) que me arrefece o ânimo para qualquer outra coisa... Uma das "meninas" está de baixa para assistência à família porque os dois filhos estavam naquele preciso momento a serem operados! Os dois??? Pergunta minha muito inconveniente, pelos vistos! Apesar de o problema ser o mesmo, o grau da doença (problema, defeito, seja lá o que for) é diferente, mas a mãe preferiu que a operação fosse simultânea para utilizar um só período de baixa, em vez de dois!!! Quer seja pelo receio de perder o emprego ou pela falta que iria fazer ao orçamento familiar a diferença do salário versus subsídio da baixa, esta mãe viu-se obrigada a submeter um dos filhos a uma operação precoce ou talvez evitável... É este o país a que chamamos jardim à beira mar plantado! Hoje, na rua, um homem pede-me 20 cêntimos para comer... Sim, sinto-me uma privilegiada por não conhecer na primeira pessoa este mundo, mas sei que existe e é impossível não o reconhecermos com estes exemplos diários e o dinheiro que dei a este homem pode pagar-lhe o almoço mas não lhe resolve a vida, nem a ele nem a todos os que se encontram num estado tão fragilizado e que este Portugalito teima em ignorar...

terça-feira, 9 de novembro de 2010

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

It's complicated...

Hoje verbalizei, assim baixinho, o que já há algum tempo invade, de forma intermitente e com alguma angústia, o meu sentir:
-Tiras-me o oxigénio!

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

O meu mau feitio...

... que habita aqui a minha pessoa existe por uma razão superior, não é só para inglês ver (mas devia, especialmente uma certa senhora inglesa). Não... ele serve para proteger o meu coração lamechas de ter ataques de tristeza ou decepção constantes! Ele há coisas do diabo... e depois queixam-se que eu tenho mau feitio. Tenho, tenho! É verdade... mau, muito mau mesmo! Diria até péssimo! E se há coisa que me deixa em ponto de rebuçado e à beira de estrangular alguém (normalmente inspiro tudo e ganho mais umas ruguitas) é ser obrigada a "estar" com pessoas más! Não são pessoas com mau feitio. São pessoas com mau carácter, má formação, sem valores, que se dobram aqui e ali só para ganhar vantagem, fazendo simultaneamente os outros de parvos... Mas será que são assim tão burras que realmente acreditam que os demais serão parvos a esse ponto??? Ou serão assim tão parvas que possam crer que os outros sejam todos uns burrinhos???
Tenho seis dias para inspirar muito e digerir tudinho muito bem e apresentar os resultados em versão cor-de-rosa, mas JUSTA!
Watch out, cookie!

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Há dias...

... que eu devia ficar trancada e não poder incomodar ou ser incomodada pelo mundo! De certeza que o alinhamento cósmico deu uma cambalhota e caiu mal. E depois o dia cai-me mal a mim também. Não há paz! Uma noite de insónia amarga, um dia insólito, uma ansiedade ensandecida e finalizo com um ataque de narcisismo agudo... Login rejeitado após insistir (inadvertidamente) três vezes com papoilabemmequero... Acto falhado? Este subconsciente inconsciente está de consciência pesada, parece-me.

Com o diabo...

... às voltas nesta cabeça tonta! Ele é sonhos destrutivos, pensamentos em aperto, coincidências num destino. O silêncio desta tempestade varre o meu reino e a insónia tem um nome e uma culpa! 

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

I had a dream...

Hoje tive um sonho. Um sonho que, ao acontecer, iria abanar a minha vidinha qual terramoto de 1755, com direito a maremoto, incêndios e pilhagens. Um sonho que me fez dormir mais para poder perder-me na doce parvoíce  que encerrava. Para me impedir, também, de lidar  com as suas consequências destrutivas. Um sonho que tanto tem de delicioso e ingénuo como de louco e perigoso. Um sonho que tento esquecer e que teima em perseguir-me em silêncio. Um sonho que, de quando em vez, ataca à traição. Um sonho que não pode passar disso mesmo: de um sonho!

Nota de rodapé: Nada que os 0ºC, que se fazem sentir por aqui, não acalmem estes pensamentos tontos e os arquive bem lá no fundo até ao próximo degelo!

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Normalmente sim...


A arte de não fazer nada! Sabe tão bem!
Mas hoje, mais uma vez, consegui actualizar mais uma mão cheia de assuntos pendentes (daqueles que não são assim muito urgentes e que ficam sempre para depois, depois e nunca mais). É verdade que passei umas longas horas colada ao computador, mas valeu a pena! Tudo em dia! Parabéns para mim! Estou a ficar uma freak organizacional! 

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Ontem em baixo...

...hoje já mais arrebitada!
É assim e ainda bem que é assim! Se estivesse em casa, teria tido colo e mimos (jantaruchos simpáticos, néctar dos deuses e outros presentinhos com certeza), mas como estou a trabalhar e desterrada tenho que arranjar a minha maneira de resolver estas mini crises (existenciais, de idade, da chuva, seja lá do que for). E lá deitei mãos à obra e resolvi vários assuntos pendentes há algum tempo. Aqueles que não são muito urgentes e que vamos deixando para melhores (ou piores) dias. E assim foi! Neste mundo internético e acelerado, quase tudo está à distância de um clique. E vários cliques depois, o curso de novo na calha, e agora completamente afogada em papéis, relatórios e outros chatices que ocupam esta cabeça tonta e não me deixam pasmar!

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Desinspiradíssima...

Ando a ler como se o mundo fosse acabar amanhã. Ontem à noite (foi mais até hoje de madrugada), já me doía a cabeça e não conseguia parar. Se o livro é interessante? I guess, mas nada que não pudesse deixar para o dia seguinte! Não me apetece mais nada... Farta da internet e dos Facebooks e afins. Mail... só por motivos profissionais e porque tem mesmo, mesmo que ser!
Acho que estou em mutação! Deve fazer parte do processo (de envelhecimento)! A descobrir novas formas de estar e saborear... A culpa foi da Tom Yum Soup! Damn!!!

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Querido Sr.D...

... veja lá se fica mais animado. Não vale descontar a má disposição nos outros. Então foi dizer à "nossa" princesa de Lafayette que ela tinha engordado??? Ela magoou... e fez beicinho! E eu que a ature, não é? Já agora, e só aqui entre nós que ninguém nos ouve, as bolachinhas de baunilha especiais que encomendou e que anda a comer às escondidas, são recheadas com leite consensado e caramelo à séria... sabia? Eu é que o topo... a si e à sua nova barriguinha! Cuide-se homem, já não há Yoga que o valha!

P.S. - Mea culpa! A bolacha que falta na caixinha fui eu que tirei para provar e aprovar! Aprovadíssima!

domingo, 17 de outubro de 2010

Abriu a época de caça...

...às comprecas de Natal!!! Hoje foi o primeiro de alguns dias dedicados às compras de presentes infindáveis para o dia do senhor gorducho das barbas brancas. E já comecei tarde. No ano passado o kick-off foi dado em Agosto! Acabo sempre por não achar especial piada à época natalícia. Os valores têm vindo a perder-se com o passar das gerações. Tudo é muito mais comercial. Dezenas e dezenas de presentes para pessoas que nem sequer nos dizem assim tanto. A ginástica para o orçamento incluir toda a gente em vez de se concentrar em quem realmente queremos surpreender. Eu, como ave rara que sou, resolvia tudo em três tempos. Eliminava da lista uma mão (muito) cheia de pessoas e acabava com esta histeria exacerbada de é Natal, é Natal e somos todos amiguinhos. Mas a minha "frieza" deixa os demais com os nervos em franja e para não começar uma guerra, acabo por ceder e fazer compras sem grande interesse. Mais uma subversão natalícia! Contra-senso, pelo menos contra o meu!

sábado, 16 de outubro de 2010

Um affair picante...

É oficial... Cheguei à idade adulta! Acho! Estou viciada em picante! Very, very hot and spicy! E tudo começou, há uns dois meses atrás, quando experimentei, pela primeira vez, uma very spicy Tom Yum Soup (por sinal, simplesmente deliciosa). Até então, achava que o picante era um perfeito disparate, que só ia mesmo disfarçar/estragar o sabor dos alimentos, uma vez que a comida iria saber só a... picante! E agora dou por mim a "entornar" o frasco do picante pelos tacho e panelas lá de casa (sim, eu gosto muito de aventuras na cozinha)! Umas vezes saem melhor que outras, mas não me lembro de ter estragado o apetite de ninguém. Cresci a ver os adultos a fazerem comida com e sem picante para as diferentes faixas etárias, suponho que ao ter aderido a este novo - para mim - condimento, tenha finalmente chegado ao mundo dos crescidos! Que se seguirá?

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Onde, onde, onde...

Mas porque é que o sitemeter do Papoila continua a insistir em localizar-me em Queluz??? Não moro nem nunca morei aí para tamanha confusão das células... Suponho que sejam os senhores da ZON a tentar proteger o meu anonimato... Obrigadinha, sim???!!!

terça-feira, 12 de outubro de 2010

É tudo uma questão de...

... de pele, de parvoíce ou de postura. Já nem sei! Mas sei que fico irritada quando logo pela manhã o telefone recebe sms´s completamente despropositados da minha colega de trabalho. Pois... Não somos amigas, mas respeitamo-nos mutuamente para bem de uma convivência salutar e de uma coordenação profissional. No início não foi muito fácil, foi até muito difícil. Ela não me queria lá... queria uma amiguinha que foi excluída pelo próprio, o inefável, o senhor, o dono, o patrão, o sol da nossa vida! Eu fiquei... a bem da verdade, fruto do meu trabalho e empenho. Cunhas, não as tive. Não conhecia ninguém (nem uma pessoinha só) na empresa. Aliás era a única portuguesa e estava a milhas de distância (literalmente) de todo este imbróglio!
Mas não gosto e não admito que nas minhas costas verifique se eu estou a fazer a minha parte, especialmente quando envolve outros colegas nessa demanda! Porque estou sempre. Porque nunca lhe tirei o tapete debaixo dos pés, bem pelo contrário! Jogo limpo e estou sempre disponível para a ajudar, substituir e trabalhar em equipa! Porque nunca lhe dei razões para não confiar ou não dormir descansada.
Só porque faço exactamente o mesmo que ela mas com um sorriso, bem disposta e sem grandes stresses que perturbem toda a gente à volta, ela fica com picos...
Hun, get a life!!!

domingo, 10 de outubro de 2010

Dia de artes (Parte II)...

Depois de tanta arte do dia anterior, parece que o bichinho talentoso quis ficar. Hoje só mudou de vocação! A real arte da limpeza... Limpar as formas, as varas, as colheres de pau e toda a parafernália usada nos cupcakes e que não pode ir à máquina (esquisitices)... seguiram-se os pincéis, a bancada, copos, etc... E depois uma big spring clean versão Outono!

Ufa, ufa... depois de uma hidroterapia bem merecida um saltinho ao último dia da Feira dos Vinhos e voltei acompanhada com 28 novas amiguinhas para o Inverno!

sábado, 9 de outubro de 2010

Dia de artes...

... para descomprimir, dediquei o dia às artes!


Arte da pastelaria: mini cupcakes para as sobrinhas (feitos por moi-même e muito melhores que os que andam por aí à venda). Estes podem não ser tão bonitos, mas são deliciosos!!!
Artes plásticas: uma ida às compras encheu o saco de tintas, pincéis, telas e outras coisas afins...
Ainda abro uma patisserie gourmet com uma galeria de arte!!! Sugestões?

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Em arrumações...


... só porque perdi uma coisa (insignificante) em casa e não vou descansar enquanto não der volta a tudo! Em ponto de rebuçado!!!

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Foi bom...

...foi muito bom recuperar algum tempo perdido, quase um voltar atrás, quase a mesma troca de amores e humores. Quase, quase! Não foi melhor, nem pior, mas diferente! Já não há feridas abertas, nem mágoas. Mas houve uma evolução de valores, de emoções! Uma mudança! Talvez amadurecimento!
Depois de uma emergência médica, o risco de vida, as preocupações e as lágrimas. A desresponsabilização e o egoísmo. O corte! A frieza!
Já é passado. Agora estamos aqui. Algumas confidências e cumplicidades retomadas.

É bom, é muito bom mas não é a mesma coisa!

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

E eu também estou no meio de gente tonta...

Eu sei que sou chata até dizer chega e às vezes lá assumo que vivo num pedestal de papel... mas as certezas ocas de algumas pessoas irritam-me assim um bocadinho (especialmente quando provocam o acordar prematuro com uma mensagem tão palerma como: Aposto que hoje não vai haver mais nenhuma alteração no trabalho). Esta frase brilhante da minha colega, que anda há uns aninhos a mais que eu nestas lides, e que está careca (sim, careca) de saber que se há coisa que não há por aqui é aborrecimento, foi só mesmo para não estar calada. Podia entupir, coitada. Pode haver ataques cardíacos, hipertensões, diabetes, etc... mas por aqui ninguém morre de tédio. O trabalhinho é (só) feito de alterações  (especialmente de última hora). 
A outra colega, por motivos mais uma vez de última hora, tinha que ir a Singapura mas acabou por ser tudo cancelado, também teve um discurso inspirado. Ah, adorava ter ido a Singapura. Não conheço. Mas ainda bem que não fui, assim fiquei em casa... Aposto que esconderam uma camera e isto deve ser para os apanhados!!! Só pode mesmo!
By the way, ganhei a aposta (que nunca cheguei a fazer)... 

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Anda tudo maluco...

... o mulherio anda maluco com a rentrée??? Ele é Vogues, Harper´s Bazars, Elles e outras, de preferência em estrangeiro! A nova bíblia a seguir sem tirar nem pôr??? Considero-me feminina o suficiente para cuidar da aparência e sim, gosto de comprecas e trapos e sapatos e tudo e tudo a que tenho direito (ou que acho que tenho), mas daí a ficar obcecada com as novas tendências impostas pela mundo editorial, vai assim uma distanciazita, não???!!! Manias!
Confesso que falo de barriga cheia... por aqui estão disponíveis as cópias todas actualizadas mensalmente e sim, passo os olhos e os dedos por algumas delas. Mas jamais ser escrava de tal ditadura... Opções!!!

sábado, 25 de setembro de 2010

Querem lá ver que tenho que... que... qualquer coisa...

É assim o telemarketing, dizem-me. A competitividade é feroz e eles fazem o que podem! Pois eu acho que  as mentes brilhantes que estão por trás destas magníficas ideias são assim uns brilhantes falsos... Ontem ligaram-me do Barclays a perguntar se eu tenho um cartão de crédito Barclays, ao que eu respondi, que tendo em conta que sou cliente Barclays e por supostamente terem acesso ao meu processo, poderiam facilmente verificar que sim. E que, portanto, considerava aquela chamada um pouco desadequada. Mas o seu cartão é Barclays ou é Barclays Card?... Pois, vocês deviam saber... Mas lá acabei por responder. Então foi-me proposta a possibilidade de ter o outro cartão. Só porque sim. Eu acabei por recusar e rapidamente (e já pouco amiguinha) concluí a chamada.
Hoje recebi na caixa do correio, uma cartinha do Barclays devidamente endereçada com a seguinte texto:

Há coisas simples na vida. Transferir dinheiro do seu cartão para a sua conta é uma delas.
TAEG de 31,2%

Simples, não é?

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

A remoer...

E após um dia de trabalho intenso, daqueles para esquecer, juntámo-nos (os coleguinhas) para um jantar informal com a intenção de descomprimir um bocadinho. Conversa vai, conversa vem e as conversas são como as cerejas... foi um nunca mais acabar de temas. E porque tenho um colega mais velho e porque gosto de ouvir os mais velhos (aprende-se sempre qualquer coisa), acabámos por entrar num diálogo bem divertido. Falámos só sobre duas coisa: tudo e nada!!! E depois de muitas voltas, falou-se em casamentos e tradições. E assim à queima-roupa (porque parece que sou um bocadinho alérgica a este ritual), perguntou-me se eu tinha encontrado o tal. Respondi... Ele olhou-me e disse-me que tinha respondido demasiado depressa. Pôs-me a pensar e fiquei speechless... Acabaram-se as cerejas!

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Mais uma sessão de terapia...

... para acalmar os nervos e o resultado foi...



... o Bolo de Claras com Creme de Lima da Leonor de Sousa Bastos para adoçar o jantar (de despedida) de família. Mas como sou adepta do menos é mais, em vez da coroa de frutas no topo do bolo, decidi-me por uma polpa de maracujá. Doce, doce como tudo! Para a próxima, mais umas alterações se adivinham!
E agora, mais e mais e muito mais trabalho (queixo-me mas secretamente sinto um rush de adrenalina que me ajuda a continuar). 

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Que nervos...

Querem estragar-me a minha boa disposição, mas não vou deixar... A caminho de casa, e mortinha para respirar um bocadinho de portugalidades e ainda tenho que aturar filmes estrangeiros???!!! 
Seria suposto as pessoas (staff) que trabalham em aeroportos terem, pelo menos, umas noções básicas de inglês, ou não? Ou estou armada em pingarelho com ares de importante com tantas esquisitices? O meu russo é bastante básico e resume-se a meia dúzia de palavras que não chegam para estabelecer uma conversa normal. Mas porque estou aqui, tenho que levar com uma catadupa de palavras que não me fazem sentido nenhum... ao questionar a senhora do controlo-de-tudo-e-mais-um-par-de-botas com um tímido "Excuse-me", levo com um revirar de olhos, e um "Excuse-me" de volta de troça tipo não-percebes-o-problema-é-teu. É, efectivamente é meu, porque não percebi nada. Mas depois não se queixem que a nós, estrangeiros, custe muito a incluir-vos no nosso conceito de Europa. I´m really really sorry. Pois não sofro de xenofobia, mas parece-me que a preocupação de Sochi estar pronta até 2014 para os Jogos Olímpicos de Inverno não se deveria limitar ao atraso de toda uma infra-estrutura de suporte. Mas sim sobre a necessidade de formatar certas cabeças... Será que três anos vão ser suficientes para aprender inglês, a sorrir e a ser simpático??? Duvido!

domingo, 19 de setembro de 2010

Feliz...

... e a pouco mais de 24 horas de matar as saudades acumuladas de uns longos dias ausente da minha casuncha, aqueço o coração a vislumbrar uma belas paisagens ribatejanas (cortesia da novela que agora não larga o meu computador). É este fado que alimenta o sentimento de ser português! Critica-se forte e feio, às vezes sem piedade. Mas sabe sempre bem voltar a casa, aos amores, aos cheiros, às raízes que fazem de mim o que sou, como sou! Bem sei que em menos de nada vou ter que voltar, e a separação aperta o coração e deixa um vazio amargo mas conheço-me bem o suficiente para antecipar a excitação de mais uma aventura prometida.

sábado, 18 de setembro de 2010

Estamos mal...

... muito mal mesmo! E ainda vai levar muito tempo para acertarmos o passo! Andava aqui eu a passar os olhos por uns artigos quando dou com um muito interessante sobre o estado da nação, da nossa nação... Portugal, desde que se tornou membro da UE em 1986, tem uma economia baseada nos serviços de indústria mas longe está o nivelamento da nossa economia pela dos outros estados membros. É um facto! Sabemos nós e sabe o resto do mundo. Mas o que me deixou desconfortável foi mesmo ler que o grande obstáculo para uma maior productividade e desenvolvimento é o sistema de ensino pobre e mal qualificado! Outro facto bem identificado! Pena é que não se faça grande coisa para mudar este mesmo sistema. E que continuemos a ser o país que anda à boleia... Há quem não se importe, a mim... deixa-me triste!

sábado, 11 de setembro de 2010

Quero mais e mais e mais...

... ser mais culta, mais inteligente, mais criativa! Fazer mais, ir mais longe, ver mais, aprender muito e muito mais. Esta sede insaciável de qualquer coisa mais que não consigo explicar muito bem, nem mesmo a esta minha cabecinha tonta, anda a atormentar-me nos últimos dias! Deve ser só cansaço...

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Muito, mas muito cansada...

... e de mau-humor com o blogger! Apesar da noite não dormida, vinha eu aqui com o texto alinhavado e começo a ver só mensagens disparatadas e os comentários todos em duplicado??? Eu vou ali fazer uma sestinha (para não ser só a princesinha cá do sítio) e já volto!

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Expliquem-me como se eu fosse muito burra (mesmo)...

Como é suposto reagir a uma fedelha (peço desculpa pelo termo, mas de momento não consigo melhor e não, não sou nenhuma dinossaura) que tem 23 anos, que está a trabalhar há 6 meses, que passou pelo período probatório normal, que se considera sénior, que diz adorar o trabalho, MAS que torce o nariz a cada tarefa que lhe é solicitada, que faz pausas (não para o café ou cigarros) para dormir (sim, sestas durante o trabalho. Lindo, não é?), que se considera uma princesa (palavras da própria), que gosta de dar ordens a quem já anda nisto há uns tempinhos, que questiona tudo e todos (não para esclarecimentos, mas para pôr em questão os métodos dos mais experientes), que faz beicinho e amua (não estou a exagerar), que desrespeita continuamente os outros e que receia ser despedida (nem sei bem porquê)? Esclareçam-me porque eu sou mesmo muito burra (para aturar isto)!

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

12h30...

Ontem, assim mesmo por acaso, fui ter a este blog. Nem sei bem como! Mas adorei a ideia. Eu até ando aqui com um rascunho, há já alguns meses, sobre uma lista de restaurantes (interessantes) a visitar. Porque já visitei um pouco de tudo. Bons e caros. Interessantes e baratos. Caros e detestáveis. Enfim... um pouco de tudo mesmo. E se há coisa que me deixa um bocadinho (muito) irritada é ir a um restaurante caro e sair de lá insatisfeita. Primeiro porque gosto muito de andar a brincar na cozinha. Não sou propriamente uma cozinheira com dotes especiais, mas adoro experimentar coisas novas e cozinho quase todos os dias (quando posso!). E ainda não envenenei ninguém (só um certo senhor intolerante à lactose a quem eu ofereci umas panquecas com mascarpone). Mas pronto, foi só um pormenor. Há pessoas muito picuinhas e sensíveis! Blhec!!! Segundo, porque não gosto de ir a um restaurante só para comer uma coisa qualquer e à pressa. Gosto de desfrutar da experiência, do ambiente, da decoração e claro, a comida tem que estar à altura! Senão não vale a pena! Seja caro ou barato! O melhor é ficar mesmo em casa, ou então ir ao MacDonalds mais próximo e encher a barriguinha com um qualquer hambúrguer pouco ambicioso e bastante previsível.
E o meu objectivo ao publicar esse tal post era dar a conhecer alguns restaurantes que considero um must e simultaneamente esperar o mesmo de quem se dá ao trabalho de ler as minhas parvoíces. Mas pronto, o 12h30 veio colmatar essa falha. Já posso ir lá bisbilhotar as sugestões deles e experimentar alguns sítios que tenham um veredicto positivo!
Boa sorte para mim!

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

E agora uma pergunta muita parvinha...

... comer muito chocolate faz mal??? É mesmo uma parvoíce ou então uma pergunta quase de retórica (o mesmo que dizer que não merece resposta)! Ando a deitar chocolates fora porque estão lá em casa há tanto tempo que já mudaram de cor! No entanto, quando o trabalho aperta e o stress aumenta, passo ao lado de algumas refeições e depois tenho ataques destes: entupir-me de chocolate até ficar satisfeita.  O que vale é que os meus genes são amiguinhos e não tenho tendência para engordar e só gosto mesmo de chocolate negro (muito amargo, de preferência. Parece que é o mais saudável). Enfim...

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Estou senil...

... e choné de todo! Ou é da idade ou do calor! Já não via telenovelas há anos e anos. Nem me lembro qual foi a última que segui... devia ser ainda adolescente! Mas claro, depois cresci e já não era cool ver estas coisas. Agora não tenho tempo, nem paciência, nem faz parte das minhas prioridades televisivas. Mas porque esta telenovela está a ser filmada lá para os lados das origens de uma parte da família, conseguiram pegar-me o vício. Então não te lembras do sobreiro lá ao lado do poço? NÃO. E a extrema das terras da condessa? TAMBÉM NÃO. E a casa do fulano tal e tal? NÃO, NÃO e NÃO. Não me lembro de nada porque não passei lá a minha infância como vocês e não conheço assim tão bem o sítio. Mas agora dou por mim a ver (de xaropada) os episódios passados que tenho perdido. Maravilhas das tecnologias que nos permitem tais proezas! Ainda me divirto com o Tristão (o meu favorito! Desconhecia o talento do Pedro Lima). A continuar assim, qualquer dia vou despejar o lixo de chinelos e sacudo os tapetes para a rua... Portugalidades!

domingo, 29 de agosto de 2010

O estado das coisas...

infelizmente e invariavelmente é um estado assim a tender para o mau! Falo deste nosso país, autêntico jardim à beira mar plantado, que parece (a mim) ter muito potencial, mas que continua a muitos anos de distância da média europeia. Pelo menos daquela Europa com a qual temos tanto a aprender. A Europa desenvolvida e mais endinheirada. É certo que o nosso país é pobre, muito mais pobre e menos desenvolvido que França, Alemanha e mesmo Espanha. Mas também é certo que nós, portugueses, somos um povo um bocadinho preguiçoso (aqui cai-me o mundo em cima). Cada vez que este é o tópico da discussão, sou quase trucidada, excomungada e apedrejada em praça pública. Mas vá... é só a minha opinião!

As pessoas (pelo menos a maior parte, e é óbvio que há muitas excepções) tem um único objectivo na vida. Dinheiro, de preferência fácil! Para aquela vidinha assim mais ou menos desinteressante, mais ou menos igual à dos outros. Sem esquecer a competitividade que existe em ter mais e melhor que o vizinho, primo ou irmão! Se o outro tem um carro assim, o meu tem que ter mais cavalos, a televisão mais polegadas, e tudo tem que ser maior e melhor! Nem que para isso se corte noutros bens (também) essenciais (formação, experiências, partilha, etc...). O que interessa são as coisas que são palpáveis e que podem ser vistas e comparadas.

Mas o que é que isto tem a ver com o estado do país?
Para mim, tem tudo... É esta mentalidade pequenina, pobrezinha e saloia que nos domina e que faz com que há muito tivéssemos perdido, ou melhor, não tivéssemos conseguido apanhar boleia do comboio europeu.
É verdade que o valor do salário mínimo em Portugal é vergonhoso. Como é que as pessoas conseguem viver dignamente com tão pouco? Saúde, educação, alimentação e habitação custam muito mais que 500€ por mês. Mas também é verdade que a lei do menor esforço impera em muitos lares portugueses!
Já passei pela experiência do despedimento (não por justa causa) e tive que usufruir do subsídio. E fi-lo durante um mês e meio e não descansei enquanto não resolvi a minha vida. Aliás, aparentemente, surpreendi a funcionária do centro de emprego ao informá-la que não iria utilizar o subsídio até ao fim. Ao contrário, vi um senhor a chegar ao centro de emprego de táxi! Pois claro, está desempregado, supostamente fragilizado, mas andar de transportes públicos é uma canseira.

Não sou melhor que ninguém, mas tenho uma posição perante a vida que me distancia da maior parte dos portugueses. A falta de cidadania, o egoísmo social, a tacanhez de pensamentos atrasam-nos enquanto pessoas e enquanto país. Porque um país não é nada... sem pessoas. Sem estas pessoas que assim o constituem.

E por tudo isto, fico triste por ver o nosso Portugalito assim tratado. Temos um clima simpático (muito diferente dos países do norte da Europa), uma gastronomia excelente (na minha gulosa opinião), uma costa extensa e pobremente aproveitada. Mas também temos gentes afáveis e com bom coração que precisam de um rumo dos nossos dirigentes para virarmos isto ao contrário. Quando o bem-estar social geral conseguir suplantar os interesses pessoais, talvez se consiga ver uma luzinha ao fundo do túnel. Eu gostaria muito...

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Inspiração... precisa-se...

Estou assim um bocadinho amuada... trocaram-me as voltas! Outra vez a história do chupa-chupa! Não se faz... Papoila querida, isto empandeirou assim um bocadinho! Olha, e se fores ali dar uma volta chez toi? Queres? 20 minutos depois... Papoila vais é para o fim do mundo porque a coisa empandeirou à séria!
E eu já a piscar os dois olhos a mais um fim-de-semana no Algarve com a àgua do mar a 25ºC...
Para a semana vou ter que ouvir mais elogios... Que maçada!!!

P.S. - Eu peço desculpa pela falta de modéstia mas estou assim um bocadinho muito chateada e preciso de colo de moi-même!

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Quando a esmola é grande...

... o aumento não é proporcional e uma carga de trabalhos adivinha-se!!! Elogios! "I can´t praise her enough. Our diamond. If only I had ten like her...". Dez papoilas??? Não seria demais? Alecrim aos molhos... mas uma Papoila é uma Papoila!!! Shut up and dance, ok!!!

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Silly me...

Um fim-de-semana muito silly, mas muito BOM!!! A aproveitar os últimos cartuchos antes de voltar ao trabalhinho. Não há férias este ano, mas há umas folguinhas extra que sabem a férias... Os joelhos mascararam-se de guarda-redes com umas joalheiras cheias de Icyhot (americanices que funcionam) e que tiram as dores mas não escondem o negro (só para lembrar que quando há escadas não há lugar a pensamentos tontos e distantes).
Um mini escapadela ao Algarve para o adeus ao Verão! Kms para cima e para baixo! Muito sono nestes olhos que têm que estar atentos à estrada... Coça aqui, coça ali, abre a janela, fecha a janela e muitas cantorias...
Descobri o mistério do senhor das bolas: ELE NÃO QUER QUE EU COMA BOLAS DE BERLIM MESMO!!! Lá continuei a insistir na procura das benditas e nada... No domingo cruzei-me com o senhor das bolas... Eu a chegar à praia (11.00 +/-) e ele a ir embora!!! Assim, sem apelo nem agravo!!! Mas vingei-me tanto... À tarde fui a outra praia e estavam umas senhoras a vender as melhores bolas de berlim do mundo e arredores e comi... DUAS!!! Pronto! Está feito! Despedi-me das bolas. Para o ano haverá mais...
Agora mais trabalhinho e muito... Espero que as insónias tenham ficado de férias... Não voltem, por favor! Ainda não estão perdoadas!
Mas eu estou...

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Doentinha...

À conta dos excessos do Verão, ando às voltas com uma intoxicação alimentar! E o senhor das bolas que não apareceu...

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Uma aterragem de emergência...

Eheheheh... Hoje espalhei-me pelas escadas abaixo. Não escorreguei nem tropecei, simplesmente vi tudo a acontecer muito devagar. Uns dez degraus até ao chão, uma queda aparatosa e umas esfoladelas na certa. Em vez disso, não sei bem como, consegui torcer-me e contorcer-me. Levar o joelho ao chão e ficar com o pé virado ao contrário (nem sei como não parti) e levantar-me de imediato com muita elegance, comme il faut, porque só tinha uma dezena de pessoas a olhar para aquele teatro todo no meio da loja AREA nas Amoreiras!!! Lindo!

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Haja paciência...

Quando alguém quer ter sempre a última palavra, será que não percebe que a maior parte das vezes está a falar sozinho?

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Anjos da guarda...

Tenho para mim que ontem ia sendo assaltada, burlada, violentada ou outra coisa qualquer (logo agora que tinha voltado a acreditar no bicho homem devido aos acontecimentos dos últimos dias)* dedução da minha amiga H. Mas se houve a intenção de me fazer mal, ficou-se pela intenção, porque os meus anjos ou anjas sussuraram-me ao ouvido e eu tive uma daquelas presenças de espírito (entenda-se muita lata) que fez deixar o "bandido" sem opção se não ir embora. Acho... mas podia ter corrido muito mal!

O senhor das bolas não apareceu outra vez. Vou ter que mudar de praia...

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Mais um aniversário...

Mais um ano passado (literalmente)... Não foi o meu aniversário, mas foi mais um aniversário. Uma data para lembrar que, apesar dos altos e baixos, muito há a celebrar. A vida, a alegria, a partilha, a generosidade, enfim aquilo que quero que faça parte da minha vida e que por vezes é preciso trabalhar muito para alcançar. Para não deixar fugir em nome de uma palermice qualquer...
Manhã de aprendizagem, tarde de lazer. Faltou o senhor das bolas. Não apareceu na minha praia... quase imperdoável! Mas vá... fica para a próxima.

P.S. - Senhor das bolas, hoje vou voltar à praia ao final da tarde. Combinado?

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Um fim-de-semana com sabor a férias (quase, quase)...

Finalmente consegui ter um dia de "praínha". Não foi o dia inteirinho porque, mais uma vez, tive as responsabilidades de sempre, mas foi como se tivesse sido (quase, quase). O S. Pedro foi amiguinho e presenteou-nos com um belíssimo sol e nem uma ponta de vento. Nem faltou a bola de berlim ao fim da tarde. Mas o melhor de tudo foi mesmo ter tempo para mim, para olhar o mundo, para descansar. Para não fazer nada!
E perdi-me nos outros veraneantes. Sempre muito crítica e por vezes incomodada pelas imbecilidades alheias, ontem fiquei agradavelmente surpreendida pelo comportamento (bom) de algumas pessoas. Uma senhora com quatro crianças na praia. Não sei se eram filhos, sobrinhos, amigos emprestados mas ela geriu a situação com muita alegria e elegância. Sem stresses, primeiro foi com as meninas à água, depois com os meninos e depois de todos devidamente instalados nas respectivas toalhas foi ela mergulhar e quiçá destressar um bocadinho sempre com um olho nos petizes. Terminada a manhã de praia, distribuiu sacolas pela criançada e toca a ir embora. Sem gritos, sem confusões. Uma família perfeita (quase, quase).
No fim do dia e porque o frigorífico ameaçava fazer greve de tão vazio que se encontrava, rendi-me às maravilhas das grandes superfícies. Como as saudades da bola de berlim eram tantas, depois de as ter pago, atirei o troco para dentro da mala um pouco ao acaso. Já no supermercado, ao tirar o telemóvel da mala para verificar a lista das compras, aparentemente a nota de cinco euros caiu ao chão. Não vi, nem senti nada. Uma "multidão" a chamar. E olho para trás e um senhor a correr com a nota a dizer que tinha caído da minha mala... Fiquei agradavelmente surpreendida. Ainda há gente honesta... (quase, quase).
Um almoço infindável de família (alguma) com direito a mergulhos dentro e fora da piscina e um regresso a Lisboa a cento e cem para poder dar um saltinho a Setúbal para ver e ouvir os Deolinda ao vivo. E mais uma vez, uma voz a chamar um senhor pelo seu nome porque a sua carteira com documentos e algum dinheiro tinha sido encontrada no recinto...
Pura descontração... só falta uma noite de sono reparador (quase, quase).

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Ena, ena, ena (ou trena!)

Depois de muito stress e muito trabalho e muitas noites sem dormir, consegui fechar os olhos durante nove horas. Não foram nove horas seguidas de descanso profundo, mas já deu para enganar o Tico e o Teco. De volta ao mundo dos vivos...

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Nem à lei da meia bala...

Isto de me render às meias maravilhas da medicina, tomar meio comprimido para dormir e só conseguir descansar meia-hora, está a deixar-me KO... Se é verdade que as minhas insónias têm como causa o sonho de alguém, desejo muito que esse alguém acorde para me deixar dormir. Please!!!

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Sabe mesmo bem...

... darem-nos graxa da boa! Não daquela interesseira que anda às voltas só para tentar alcançar qualquer vantagem! Assim uma graxa saudável e brilhante que aquece a alma e arrebita o espírito. Hoje devo ter sido abençoada por um demónio qualquer porque desde o amanhecer até agora tem sido elogios uns atrás dos outros. Dos coleguinhas do trabalho, dos amigos e até de um desconhecido que estava a cair de bêbedo no bar onde tivemos a última reunião do dia (ou da noite). Mas, pronto, desse não seria de esperar outra coisa mesmo!
O quão fantástica, profissional, dedicada, maravilhosa, elegante, especial e única (e mais alguns que agora não interessam nada para aqui). Eram uns atrás dos outros, assim em catadupa. Portanto, hoje estou com a auto-estima lá em cima no Empire State Building. Sabe muito bem, mas também saberia muito bem conseguir conciliar o sono de uma vez e ter uma noite bem descansada para deixar de vegetar nesta dormência que me tem atormentado nos últimos tempos.

domingo, 25 de julho de 2010

Gosto de ti...

... no meu silêncio. As saudades não são urgentes nem doentias,  mas doces por saber que esperas por mim. Das minhas aventuras e conquistas regresso mais madura e ponderada, grata também pelo espaço e tempo que me dás. Sempre. Deixas-me ir. A corrida inevitável entre os meus dois mundos. Encontramo-nos na chegada. O vento traz-me de volta sempre com qualquer coisa de novo. Parto com o sonho, iluminas o real. Eu salto, tu seguras-me. Eu luto, tu defendes-me. Eu voo alto, tu acreditas. Recupero forças para continuar. Cresço devagar. Deliciosamente devagar. Dolorosamente devagar. Sozinha vejo o mundo contigo. Alternamos entre o muito bom e alguns espinhos disfarçados. Os outros não existem quando nós existimos. Gosto de nós...

sábado, 24 de julho de 2010

Anestesiadíssima...

Não sei se é do cansaço acumulado de umas quantas noites mal-dormidas, se do stress, se da silly season, ou do que quer que possa ser, mas estou com uma preguiça mental tão grande que quase me sinto INOP.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

E de repente...

... alguém deixou um pacotinho de casca de laranja coberta de chocolate amargo da Maison du Chocolat de Paris de França lá no meu estaminé... e eu devorei-os!!! Deixei lá uns seis ou sete para não parecer mal... Uma delícia! Merci.

domingo, 18 de julho de 2010

Sem querer ser cagari-cagaró...

... parece-me a mim que à grande e à francesa já não é bem o que era!!!
Adoro Paris e gosto do país em geral (do que conheço, claro está), mas não sou propriamente fã dos senhores que habitam a cidade das luzes.
A aventura começou logo pela manhã quando quis fazer o check-out no hotel. Tinha lá passado a noite (tenho a certezinha!) e apesar de ter feito o check-in normalmente, não havia registo nenhum meu nem do "meu" quarto ter estado ocupado nessa noite. Portanto... elementar, meu caro Watson, sem check-in não há lugar a check-out!!! Ou melhor, nenhuma das meninas/senhoras da recepção queria ocupar-se da minha situação. Minhas queridas, eu só quero pagar e ir embora, tá?! Já estou para lá de atrasada (a noite tinha sido longa) e a minha vida não é só isto! Tem que aguardar, tem que aguardar, tem que aguardar! Qual disco riscado!
Contornado o primeiro obstáculo, aparece logo de seguida o segundo para pôr à prova a minha paciência que parecia mais estar em dia não. Já disse que estava atrasada??? O taxista perdeu-se e em vez dos habituais dez minutos para chegar ao destino, andámos nas auto-routes que circundam a cidade enfiados em bouchons e a ver a minha vidinha a andar para trás. O GPS diz que é por aqui... Oui, oui, mas há 40 minutos atrás é que era por aqui! Excusez-moi, madam! Mas a verdadinha é que cada vez estou mais atrasada and that´s not good! Finalmente no destino, deparo-me com mais uma incompetêcia alheia (ainda bem que decidi ir fazer de fiscal), mas facilmente a questão fica resolvida. Vamos embora que a vida são dois dias e eu estou mesmo a habilitar-me a ficar a ver navios (no meu caso, o avião).
Mais um taxista, desta vez o problema foi com o pagamento. Depois de requisitar um táxi que aceitasse o pagamento com cartão de crédito, MB, etc..., calha-me um que tem a maquineta avariada. Só a mim!!! Sim, porque nem todos os países são como Portugal, onde os MB nascem como cogumelos a cada esquina. Lá saí do taxi com indicações precisas para descarregar a bagagem enquanto eu procurava o bendito do MB. Não foi tão mau assim e uns minutos depois já estava de regresso com uns euros na mão. Mas, claro está, que o senhor taxista estava confortavelmente instalado no banco da frente e as valises nem vê-las. Duas palavras menos simpáticas e pagamento feito e o troco estava a demorar a chegar. Queria ficar com gorjeta???!!! Por quê? Por ter sido imbecil? Mais um que se atravessa no meu caminho. Forget it. No tips. Cara feia e foi embora.
Aventura número 3 e meia: Não aconselho mesmo nadinha uma viagem em executiva na Air France (médio curso, porque longo nunca experimentei). Depois de muita procura, ninguém achava a reserva. Ok, acontece! Nomes trocados, letras trocadas, enfim... Mademoiselle (aqui mereci outro tratamento), tem que pagar excesso de bagagem. Quoi???!!! Na Air France, os passageiros de executiva tem direito a duas malas no total de 46 kgs. Como eu só tinha uma mala com 30 kgs, tenho que pagar 100€. Parece-me bem! Esperteza saloia de andar por este mundo a viajar com 16 kgs e uma mala a menos do que é permitido???!!! Toma lá e não digas que vais daqui... Cheira-me que vai dar lugar a reclamação... Mas, sirva o purê, pode dirigir-se ao lounge para aguardar confortavelmente pelo seu voo. Para aceder ao dito lounge, só é preciso subir dois lances de escadas em caracol apertado e muito adequado a quem tem bagagem de mão tipo trolley, mala do portátil, saco de souvenirs, etc... Esqueço o lounge e espero duas horas que a greve dos controladores permita o embarque. Finalmente instalada num lugar não atribuído, mas enfim (outra história), tento esquecer os amargos da manhã parisiense! Com tanta aventura a fome acordou e espera-se que a refeição do avião que, não sendo nada de especial, entretenha o estômago por duas ou três horas. Ah, mas a refeição de executiva da Air France é especial. Vem num estojo branco de plástico rígido (mais parece a caixa dos lápis de cores da escola primária), com talheres de plástico e resume-se a um pãozinho frio, um queijinho, uma mini-saladuncha e um croissant congelado. Tudo bem regado por uma bebida em copo de plástico (só para saber melhor). A Air France diz que são os maiores.  Serão os melhores? Vive la France!

sábado, 17 de julho de 2010

De armas e bagagens por fazer...

O dia começa mais ou menos bem... um email estúpido que merece ser arquivado para sempre (juntamente com o remetente) e uma sms simpática com a oferta de dois dias extra de folga!!! Yuuupppiiii! Troca de emails para confirmar o magnífico reconhecimento do meu estado inop e consequente estadia prolongada chez moi e mil planos para ocupar o tempo.
A meio da tarde, as nuvens aproximam-se juntamente com a chegada de sms com perguntas quase de retórica. Eu antevi e previ que o chupa-chupa iria ser roubado mais rápido do que um foguete. Et voilá... o derradeiro telefonema inegável do recomeço antecipado! Não só perdi os dias extra como tenho que voltar antes de tempo... A chefinha, com voz doce e em pézinhos de algodão, diz please uma centena de vezes e não há volta a dar!
Silly season! Silly you ou silly me?

terça-feira, 13 de julho de 2010

Regresso ao passado...

Um dia passado a relembrar as histórias e memórias dos que viveram muito antes de mim. Os mesmos que me ensinaram a amar, que me davam chocolates às escondidas, com quem brincava aos cabeleireiros quando ainda mal sabia andar! Os avós, bisavós, tios-avós e outros ós que estão por cá a perpetuar as histórias da família e que muito generosamente me incluem nessa partilha de momentos que me aquecem o coração e fazem-me sentir pertença de alguém. Serão as raízes? O sangue? Pena é ter saltado uma geração. A geração flower power que se tranformou em tecnocrata pseudo-umadatadecoisas que pouco interessam. Que pouco me interessam! Mas que teimam em atormentar os meus dias com pobrezas de espíritos doentes e surdezes mentais... Mas eu vou ali e já não sei se venho (para essas pessoas!).

domingo, 11 de julho de 2010

Mil desculpas...

... por ser assim mais ou menos fantástica, mais ou menos equilibrada, mais ou menos bem sucedida e mais ou menos feliz!!! Pelos vistos, estas razões causam desconforto a algumas pessoas que assim me fizeram saber a pesada responsabilidade que carrego. Só por minha causa... Só por existir assim...
Peço já mil vezes desculpa em público (só para ter mais impacto)! Só para trazer um bocadinho de conforto aos que se sentem tão desconfortáveis, cujas vidas desprovidas de qualquer alegria andam assim tão atormentadas!
Mas apesar de já ter confessado aqui os meus pecados, os acima mencionados, também lhes digo que não pretendo mudar. Pois é, a arrogância que me é tão característica, refinada com a idade, não me deixa alterar o rumo da minha vidinha. Pelo menos por enquanto! Apetece-me ser feliz! Que mania a minha! Esta agora??? Anda o mundo mergulhado numa crise económica e eu ouso dizer que sou mais ou menos feliz!!! Mereço já mil vergastadas! Eu vou ali penitenciar-me e já volto, tá???...

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Este sentimento misto de parvoíce...

... que me ataca de quando em vez, sempre que tenho tempo para o disparate mental! Entre muitas tarefas (familares, profissionais e domésticas), não houve ainda tempo para um saltinho à praia! Tristeza! O meu dia não tem 24 horas como o das outras pessoas! Não tem e aposto que é um dos meus muitos castigos que tenho que sofrer enquanto andar por cá... Porque sempre que arranjo umas horinhas extra, utiliza-as para me desesperar com coisas que outros considerariam frescuras!
Entre duas casas, a mudança parece querer acontecer a qualquer momento. Já ouço o timer na contagem decrescente e não me sinto nada confortável nem inspirada com esta viagem. As reuniões e visitas têm acontecido durante o dia. Tirar medidas, verificar pormenores, fazer planos. Mas hoje para o último tira teimas, decidi ir conhecer a casa à noite. Não gostei, não quero, não sei o que faça... Acho que vou ali afogar-me em trabalho e já venho!

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Massage, massage...

Uma ida à higiene oral garantiu-me o "prémio" que só uma pequena parte da população portuguesa detém. Zero cáries. Parabéns, parabéns, diz a higienista. E toca de me presentear com uma massagem dentária! Já tinha experimentado vários tipos de massagem, aliás fanática do relax, sempre que posso ponho-me a jeito... mas aos dentes, nem sequer tinha ouvido falar... Sabe muuuuuuuito bem!!! Grazie mille!

domingo, 4 de julho de 2010

Perspectivas de vida...

... ou de morte! Chegar aos 87 anos com uma viuvez pelo caminho, uma pós viuvez solitária, independente e autónoma, uma colostomia e um AVC isquémico e ter que estar à mercê da boa (má) vontade dos outros é tramado! Se estivesse tontinho, choné ou senil era mais fácil. Arranjava-se uma solução adequada, gostasse ou não, já não antecipava a chegada da morte com lágrimas saudosas de uma vida livre. Apesar de o AVC o ter deixado acamado, em dois meses e com a ajuda da equipa multi-disciplinar do Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão, voltámos a ter homem para pegar o touro pelos cornos (quase!). Levanta-se, veste-se, come, faz a barba sozinho. Tudo em nome de uma vida livre. A motivação e o empenho lutaram a par e passo para conseguir os máximos resultados. Teve o mérito de ser considerado o melhor paciente de Alcoitão! Aos 87 anos!!! Não é para todos, é só para alguns!
Mas a alta veio com a indicação para não voltar a viver sozinho. A idade e os antecedentes clínicos são um factor de risco! Várias alternativas foram colocadas em cima da mesa, mas somos todos muito ocupados e ninguém quer abdicar do seu egoísmo, da sua vidinha bizarra e patética. Centenas de quilómetros percorridos para encontrar um lugar decente, confortável e com capacidade de resposta às suas necessidades específicas! Parece que se conseguiu!
E apenas 24 horas depois, ele pediu-me: Deixa-me ir para casa! Aqui não estou a fazer nada! Estou à espera de quê? Em casa, tenho as minhas coisas para me entreter, todos os papéis em atraso para organizar! Uma vida ocupada e importante!
E o coração divide-se... Vou ficar em sobressalto, acabaram-se as noites descansadas, mas será que tenho o direito de privá-lo da sua vontade? Por muitos mais anos que possa viver, qual o objectivo de ficar à espera do anjo da morte? Tudo é estéril... Não há recordações, vivências, cheiros nem memórias! A casa é o nosso refúgio do resto do mundo! Onde fazemos o que queremos, quando queremos e só as paredes partilham as nossos segredos!
Muitas lágrimas depois, estou tentada a fazer-lhe a vontade, porque hoje não consigo ver outra solução a um pedido tão sábio! Porque ele sabe!

sábado, 3 de julho de 2010

Odeio pessoas...

...

Um dia não...

... assim um bocadinho triste! Este mundo acelerado e competitivo que conhecemos e do qual fazemos parte não contempla os nossos ascendentes, as nossas raízes, o mesmo que dizer os nossos avós! As pessoas que nos deram colo e mimos, ensinaram-nos a amar e a ser meigos e cúmplices, evitaram alguns castigos, velaram o nosso sono, com quem aprendemos a nadar e ofereceram sempre abrigo, de repente não cabem nas nossas vidas! Ou não sabemos como incluí-los, da forma que eu considero normal. Ficarem a viver na nossa casa, partilharmos a responsabilidade com os outros familiares e agradecermos por estarem ainda  entre nós e estarmos disponíveis para ouvir o tanto que têm para ensinar. Estas rasteiras pôem-nos à prova e fazem-nos reflectir sobre o que realmente é importante. Será?

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Estou com ganas...

... de estragular ALGUÉM!!! E se esse alguém insiste nas mesmas provocações, parece-me que vamos ter um dejá vu dos útimos dez anos! Ai parece, parece...

O Eduardo é o maior...


Pois que não percebo nada de nada de futebol, mas ontem lá fui arrastada para um jantar com a promessa de boa companhia em nome do jogo de Portugal. Mesmo sem perceber nada, tenho olhos que conseguem distinguir uns homenzinhos de calções a correr atrás de uma bola de outros que andam pelo campo a marcar presença, a aparecer para as fotos. No fundo, a fingir que jogam. Foi o que aconteceu ontem à noite! Não fosse o Eduardo ter um íman naquelas mãos e tínhamos levado uns seis golos, só assim para compôr! O Coentrão lá andou a correr em desespero atrás da bola, mas sozinho não conseguiu fazer nada. O mister para ajudar decidiu fazer um mix and match que só veio baralhar mais o sistema. Viemos para casa! O Sócrates, que andava tão contentinho pela nossa euforia com o Mundial, já deitou as mãos à cabeça por ver as atenções novamente centradas na crise. C'est la vie!

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Promoções fantásticas...

Uma ida rápida à Fnac em nome da cultura e com o objectivo de comprar livros no fim-de-semana fantástico dos 15% de desconto (um bocado engana tolos, uma vez que os 10% já estão deduzidos, sempre???!!!, no preço e os 5% são em pontos, mas vá...), e saí de lá carregadinha de sacos já com os braços a tocar a chão, tipo macaquinho... mas nem um livro será considerado um grande acréscimo de conhecimento ou sabedoria (a não ser muito específica). Pois é, nada mais nada menos que uma belíssima escolha variada de livros de doces, bolos, bolinhos e outras coisas gulosas!!! Ou estava com fome e a necessidade levou-me a essa secção ou estou a planear a engorda de moi-même e de todos os que me rodeiam. Watch out!

sábado, 26 de junho de 2010

Ao seu dispôr...

Exmo. Sr. D,

Tenho para lhe dizer que ando deveras preocupada consigo. Ele  é reuniões fora de horas, viagens de negócios, inquietações diversas e muito stress acumulado. Sugiro que tire uns dias de férias. Desligue do mundo. Beba uns copos. Vá para fora. Alimente-se bem e tome umas vitaminas. Relaxe, homem! Que me deixa nervosa de o ver assim!
Eu ajudo. Organizo tudo devidamente, aliás, como sempre.

Yours faithfully,

Papoila

P.S. - Depois de análise pormenorizada sobre a sua agenda, verifiquei que estas férias terão resultados mais eficazes e duradouros se tiverem lugar na segunda quinzena de Julho e num destino de praia!!! Será preciso fazer um desenho?

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Schiu...

Olá, miga! O que eu detesto esta semi-palavra ou expressão! Chamem-lhe o que quiserem, mas fico com os cabelos em pé, arrepiadinha de todo e com o estômago embrulhado quando me dirigem este cumprimento. O que não é muito comum, diga-se de passagem. Mas aconteceu! Uma das minhas BFF decidiu, muito carinhosamente, chamar-me de miga. Não gostei mas também não lhe demonstrei o meu desagrado. Primeiro porque foi a primeira vez que o fez (e espera-se que última também), segundo e muito mais importante porque é uma amiga a séria, daquelas à moda antiga, forever and ever. E porque, apesar de viver num pedestal de papel, tenho a perfeita noção da minha fragilidade e como sou tantas vezes desculpada pelas minhas muitas falhas, não seria de esperar outra coisa que não retribuir na mesma moeda!
Mas voltando ao propósito do meu post...
Olá, já cheguei! Mas não digas a ninguém porque quero aproveitar para imprimir a marca do meu rabo no sofá por um dia. Preciso mesmo de descansar. E não me está a apetecer mesmo nadinha (depois de ter trabalhado tão intensamente) aturar já as parvoíces egoístas de sempre. Portanto, cheguei mas não estou cá!

terça-feira, 22 de junho de 2010

Descanso merecido...

Depois de 21 dias a trabalhar como uma moura (non-stop, aos saltinhos por todo o lado), estou agora a gozar um mini descanso de quatro dias. Lá fora estão 45ºC. O dia foi passado na praia numa preguiça imensa. Óptima companhia, boa conversa e bons petiscos. Só é pena a água do mar não refrescar nada. Um borsch... very, very hot!!! A retemperar forças para as guerras que se seguem (que adivinho não serem poucas). Mas vá, um dia de cada vez, e agora estou no relax...
...
Not... Já recebi ordem de despejo!!! Amanhã alvorada cedo e back to work!!! Buááááá!!!

E aqui os três mosqueteiros já a piscarem os dois olhos à prometida massagem de amanhã... Lição aprendida!!! Não deixes para amanhã o que podes massajar hoje!

sábado, 19 de junho de 2010

Mais uma estrelinha...

Adeus Saramago e muito obrigada por ter partilhado o seu génio e a sua arte. Talvez o Memorial do Convento tenha sido o primeiro livro "do mundo dos grandes" que tenha lido com entusiasmo. Algumas vezes fez-me voltar atrás, perdia-me nos parágrafos e nos diálogos. Mas a delícia do enredo fez-me revisitar uma e outra e outra vez, sempre com o mesmo prazer. Repetiu-se com os outros livros. O escritor foi embora mas deixou-nos, muito generosamente, uma imensa obra.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Com o joelho feito num oito...

...à custa das incompetências alheias. Que nervos!!! Questões mal resolvidas e atravessadas e vamos lá a amuar (não eu) porque não me apetece aturar isto! Pronto, resultou em saltar da cama agarrada ao telefone e sair à pressa. Não vi onde pus os pés e só fui estatelar-me contra o sofá. Um grito de dor e parece que tenho dois joelhos na mesma perna. Gel e ligaduras e mezinhas e diabo a quatro, mas o inchaço e a dor estão lá a lembrar-me que só me apetece estrangular o culpado!!! Arghhhhh...

domingo, 13 de junho de 2010

Obrigada K...

...pela bela massagem Happy Feet. Uma hora com os pés nas mãos de alguém que percebe da coisa. Saí de lá a andar nas nuvens, leve e descontraída. Pena que amanhã tenha que calçar as ferraduras de 15 cm e passar umas boas horas em pé a estragar o que hoje foi tão bem tratado. Temos que regressar a este lado do mundo para mais momentos destes.

sábado, 12 de junho de 2010

E se de repente...

... alguém dissesse: MOSCOVO-KRASNODAR-CONAKRY-DUBAI-HONG KONG-PEQUIM-TÓQUIO-NIZHNY NOVGOROD-MOSCOW em dez dias? Isso seria...

sábado, 5 de junho de 2010

sexta-feira, 4 de junho de 2010

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Sem tempo...

Não gosto que me cortem o pio... mas é o que tem acontecido nos últimos dias! Trabalho até dizer chega... quando tenho algum tempo, não tenho net, quando tenho net, tenho que dormir porque alguém inventou estes trabalhos a horas esquisitas e pronto nem posso cuscar os blogs alheios e dar umas boas gargalhadas à conta das tontices de gente estranha que habita a blogosfera (como eu). Bhec!!!

quarta-feira, 2 de junho de 2010

No nosso tempo...

Ia eu em passo acelerado para mais um serão agarrada ao computador, quando vejo uma cara mais ou menos familiar. Mas como era altamente improvável, continuei... Instalei-me na mesa de trabalho, mas... voltei atrás. E sempre era o Comandante S. que, apesar de passados uns bons dez anos, também me tinha reconhecido. Conversa para trás e para a frente, troca de contactos e ficou feita a promessa de uma visita, talvez para nunca mas... quem sabe?! O recordar de outras aventuras e outros tempos (não tão longínquos assim, mas... para mim já são!). Estou velhinha!!! Já digo (só às vezes!), no nosso tempo...

terça-feira, 1 de junho de 2010

quinta-feira, 27 de maio de 2010

O nosso Portugalito...

Hoje foi um daqueles dias que não devia ter saído da cama (ui, ui, ui!!!). Nada de taradices... Após a sessão matinal de hidroterapia (nome chique do meu duche), o telefone toca e tudo o que estava planeado passa para 3º, 4º e 5º plano. O meu amor num acidente de viação. Ai, foi o tempo de calçar os sapatos e sair porta fora completamente avariada da cabeça. Ambulância, a mota sozinha, as testemunhas à volta e uma senhora dirige-se a mim com um tenha calma. Foi o suficiente para sentir um arrepio gelado e o estomâgo a embrulhar-se de imediato, que se manteve durante o resto do dia. Avaliação feita da situação, e entre nervos e preocupações, os males não eram assim tantos. A zona do acidente encaminhou-nos para o Hospital Garcia da Horta. O tempo de espera foi razoável, mas a política de saúde muito pobrezinha, quer dizer, para pobres é que não é de certeza... Fractura exposta, pontos dados, antibiótico prescrito e volte daqui a 15 dias para uma cirurgia! Interrompa lá a sua vida, o seu trabalho e a devida reabilitação porque agora não temos vaga. E mai nada!!! Vamos lá ouvir uma segunda opinião, porque agora ficar sem um dedo da mão direita não dá muito jeito. Hospital privado, pagamento feito. Sr. Doutor, pode-se esperar 15 dias? Até pode esperar 6 meses... mas, o melhor é ser operado já amanhã. Pois é, a saúde em Portugal está doente e é só para quem pode. Amanhã ficará tudo resolvido (esperamos), contas saldadas e a vida continua (para nós). Nem quero pensar se não pudéssemos... Vergonha das vergonhas um país da Europa deixar os mais desfavorecidos à sorte desta tropa fandanga. E assim se vive neste nosso Portugalito!!!

quarta-feira, 26 de maio de 2010

A família calha-nos...

... os amigos escolhem-se e fazem-se (como disse a minha amiga que percebe mais disto do que eu, que já só tenho neurónio e meio e ultimamente anda meio queimadito)!
Eu continuo a ver o mundo com os meus óculos cor-de-rosa (e não prescindo, nem quero deixar de ser assim). So far, so good e feitas as contas, tenho sido feliz na minha dormência mais ou menos inocente, mais ou menos sonhadora! Claro que os óculos são progressivos (modernices!!!) e às vezes chegam até ao roxo escuro e depois as pessoas não gostam! Pois é! Mas eu também não gosto dessas mesmas pessoas nestas ocasiões. Pessoas que eu deixo ocuparem o meu coração lamechas e que continuamente fazem escurecer os meus óculos sem pedir licença. Pessoas que só existem na minha cabeça sonhadora e pateta. Pessoas que sendo tão próximas não podiam estar mais distantes... do meu mundo cor-de-rosa em que vivo feliz, quando me deixam! Um mundo que só concebo com amor, respeito, consideração, solidariedade, honestidade e muitos outros atributos que quando são atropelados deixam marcas inesquecíveis. Perdoáveis, por ventura, mas inesquecíveis. Ensinamentos de outras gerações que eu teimei em ouvir e dar razão. E que fazem parte de mim, da minha vida, de tudo em que acredito e que não quero passar ao lado só porque é mais fácil, menos incómodo e até mais barato. Sim, porque todos têm um preço, mas saldos é uma época em que não estou à venda! Se algum dia tiver que ceder a um destes princípios que seja por um valor que justifique mudar de país, de identidade e de vida para poder continuar a olhar-me no espelho de manhã e dormir descansada à noite.
Somos o que fazemos e não o que apregoamos. Palavras fáceis e pomposas levadas pelo vento dizem-me muito pouco e estou cansada de enxugar lágrimas e pegar nos mil bocadinhos em que o meu coração foi estilhaçado e voltar a colar sempre com uma esperançazinha que talvez tenha sido a última vez.
Chega! Estou farta! Não sou perfeita e faço, com certeza, muitas coisas que os outros podem não gostar, concordar ou até reprovar. Mas não provoco, agrido, ataco ou prejudico ninguém gratuitamente. Qualquer coisa menos que uma convivência salutar, neste momento, é inaceitável!
E se o preço for elevado, terei que pagar porque paz de espírito, para mim,  é por demais valiosa para ser relegada para segundo plano. Claro que custa virar as costas, bater com a porta e desistir definitivamente mas vivo aqui e vivo agora e é agora que quero ser feliz.
Desta vez encolhi os ombros, da próxima logo se verá...

terça-feira, 25 de maio de 2010

Alô! Alô!...

Um telefonema curioso:

Moi-même: Sim...

Do outro lado: Estás cá?
Moi-même: Sim!

Do outro lado: Quando vais embora?
Moi-même: Próxima semana!

Do outro lado: Quando vens a Lisboa (downtown)?
Moi-même: Não sei... Não tenho carro, está na oficina...

Do outro lado: Quando vieres a Lisboa, vinhas buscar o meu BI e levá-lo à minha mãe porque recebi uma carta da Polícia mas como não estava ninguém em casa, deixaram o aviso. Ela só pode levantar a carta com o meu BI.
Moi-même: Está bem. Quando for a Lisboa, digo qualquer coisa. Mas eu estou sem carro...

Do outro lado: Assim escusava de ir para esses lados, eu estou bueda cansada e só tenho três dias para levantar a carta... Não queria ir para aí de propósito só por isto! Ainda tenho que ver quem vai restituir o dinheiro, porque a multa foi para o banco (leasing do carro) e o banco reencaminhou a carta para a minha morada e debitou 18€...
Moi-même: Restituir o dinheiro???!!!

Do outro lado: Sim, se for um engano, o banco não vai devolver o dinheiro porque prestaram um serviço, e estou para ver se a Polícia vai pagar o que me foi debitado...
Moi-même: Mas já sabes que é um engano?

Do outro lado: Não, mas tenho que estar preparada para o que possa acontecer... É que já me debitaram 18€!
Moi-même: Uma coisa de cada vez! Se não for engano, nem tens que pensar nisso!

Do outro lado: Não... tenho que estar preparada e estou mesmo para ver se eles devolvem o dinheiro!!!
Moi-même: Está bem, se eu for a Lisboa, ligo ou envio sms...

Do outro lado: Pronto, ok. Liguei só para saber de ti. Beijinhos.
Moi-même: !!!??? Beijinhos. Fica bem...


I´m speechless...

segunda-feira, 24 de maio de 2010

A nossa função pública...

... é de bradar aos céus!!! Não a função, não a pública, mas as pessoas que foram formatadas para dizer três palavras e não avançar mais. Pensar??? Raciocínio lógico??? Perspectivar??? Palavrões imensos emitidos pela alienígena que ousa questionar a dita função pública!
Um erro do engenheiro "público" que avaliou a minha casa e a classificou como a casa do vizinho, só pode ser passível de rectificação ao fim de três anos. Deve ser o tempo médio que "a função pública" leva a ir buscar o ficheiro ao arquivo (morto, com certeza). E não podemos fazer mais nada porque o artigo assim o diz!!! Portanto, neste momento, eu e meu vizinho somos proprietários da mesma fracção. Andamos todos ao colo uns dos outros!!!
Para me recompor desta deliciosa incursão nestas fantásticas repartições, decidi ir inaugurar o Dolce Vita Tejo. Pois é, nunca tinha lá ido. Um bocadinho fora de mão, um bocadinho grande e um bocadinho pouco atractivo tinham sido as razões para adiar continuamente a visita. Mas acho que depois do atentado à inteligência (pouca, mas é a que me saiu no código genético) sofrida nas Finanças, uma ida ao shoppén só iria fazer bem. Ver coisas novas, ir desopilar (a carteira!!!).
Não gostei... É feioco... É enorme e impessoal... Fiquei com dores de cabeça... E não havia o meu número do sapato que TINHA que comprar (por motivos profissionais)! Fugi rapidamente. Pus-me a caminho de um shoppén mais pequenino, comprei os sapatitos e voltei à minha routina.
Beijos, beijos... Não sei se volto!

domingo, 23 de maio de 2010

Continua a doer...

A saga continua... as mesmas pessoas continuam a decepcionar continuamente e cada vez mais friamente. Não consigo entender e continua a doer. Se ao menos conseguissem entender que às vezes não há mais do que a esperança e quandos se retira a esperança, resta a dor, o amargo de estar à mercê da boa vontade dos outros (a família, os representantes e responsáveis legais), que há muito se demitiram pelo egoísmo que impera na sociedade moderna. Ainda não desisti mas não sei mais que possa fazer... Aguardo uma inspiração...

sábado, 22 de maio de 2010

Dói dói...

Dói assim um bocadinho quando constatamos, o que já era evidente, que estamos rodeados de pessoas egoístas. Muitas vezes esse egoísmo aparece camuflado de teorias acompanhadas de violinos e corais angélicos. Algumas dessas pessoas são muito próximas. E temos as nossas raízes nessas mesmas pessoas e de repente, são-nos tão estranhas. Nada é comum, nada se relaciona. Sentimos um vazio. Uma tristeza que é cortada com uma frieza e uma amargura. Um misto de decepção e raiva. Uma vontade de virar as costas, e ter as mãos atadas. Precisa-se de uma inspiração renovada para prosseguir. Há-de chegar, espera-se, mais cedo que tarde. Porque a finalidade é nobre e altruísta e porque acreditar é importante. E porque há pessoas que merecem...

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Hoje não é o meu dia...

Acho que hoje tinha sido um dia fantástico para dar um mergulho no mar ainda muito frio e estender o corpinho ao sol para ver se a vitamina D fazia qualquer coisa a este humor de cão. Dormi pouco, acordei cedo, uma hora no trânsito, cheguei oito minutos atrasada, fiquei à espera, fiz o que devia, voltei a fazer o que devia, regressei cansada e recebo mais uma escala pesada... Mereço?

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Foi ontem, foi ontem...

Foi ontem que completei mais uma primavera!!! Não quero festas nem pseudo-celebrações, chavão repetido todos os anos por esta altura (uns dias antes) e depois acabo sempre a correr a montar uma mesa, com respectivo jantar para um número de pessoas... pois o mesmo se repetiu este ano, só para não fugir à regra! Mas ontem entre mil coisas para fazer e mil coisas que podiam acontecer, a viatura decidiu avariar... o que veio abalar (atrasar) os planos todos, mas com muita boa vontade de algumas pessoas conseguiu-se ultrapassar todos as contrariedades e sentar à mesa por volta das 22.00. Mas, mesmo assim, não deixei de repisar a situação algumas vezes... Em primeiro lugar, o carro não devia ter avariado, em segundo lugar, se era mesmo necessário fazer uma birra dessas, poderia ter escolhido o dia anterior ou o dia a seguir, mas NÃO o meu aniversário!!! Porquê? Porquê? Porquê? Como acredito que nada acontece por acaso, questiono-me porque teve que acontecer logo ontem no meio de umas maratonas para apagar todos os fogos. Até me considero uma boa pessoa (excelente, para ser mais precisa, apesar de um feitio algo feroz), portanto não merecedora de tal oferta...
Mas assim foi.... e agora pagar a conta é o próximo passo!!! Mil vezes blhec...

A última fatia...