sábado, 31 de março de 2012

Olha que dois...

A mulher é um bicho complicado! Muito. Eu sou um bicho desses. 
Mas o bicho homem não é simples e descomplicado como se quer fazer passar. Publicidade enganosa, é o que é!

quinta-feira, 29 de março de 2012

Mais BRICS...

Ainda não percebi se levei com um tijolo na cabeça (parece!) ou se são estes senhores que têm a cabeça dura como um tijolo. Este take II foi semelhante ao take I e eu nem sequer tinha gostado da estreia, mas vá... tem mesmo que ser (dizem)!

quinta-feira, 22 de março de 2012

Deve ser por isso...

Hoje seis criaturas (outra palavra que não entra no meu léxico habitual - criatura=galinha - coisas de uma sinestésica!) esclareceram-me porque (ainda?!) estou em Moscovo. Seis entrevistas a seis licenciadas com suposta formação e experiência profissional e só uma mereceu o benefício da dúvida (com uma boa dose de generosidade deste lado da mesa). A sério, tiram-me do sério!

Exaurida...

... é uma palavra que já não ouvia há muitos anos. É uma palavra que não me lembro de ter usado sequer. E é uma palavra à qual eu acrescento algo ao seu significado. Exaurido é sinónimo de exausto, extenuado, enfraquecido, vazio, consumido, acabado. Eu acho que é isso tudo mas já a tocar o limite da loucura, tal é o cansaço da pessoa exaurida. Não sei bem porquê. É assim que entendo. Ao ouvir a palavra exaurida (sempre no feminino, também não sei explicar porquê), associo sempre a uma mulher à beira do colapso, de lógica duvidosa, manifestamente incapaz. É só a minha definição, ou melhor, a minha interpretação da palavra. Sem qualquer conhecimento mais profundo que possa sustentar tal argumento. É o meu português. Meu e da minha sinestesia (que inventa coisas e que me ataca desde sempre).
É assim que eu me sinto. Esgotada. Em linguagem mais credível: burnout, que eu traduzo livremente por queimadita de todo. Voilá!

terça-feira, 20 de março de 2012

segunda-feira, 19 de março de 2012

Não se faz...

Uma pessoa anda aqui numa luta incansável (e hercúlea) para derrubar o quilo italiano. Hercúlea porque sôdona Papoila não gosta nada de ginásios. Já está fluente em abdominais e pranchas e outras torturas semelhantes. Já faz tudo com uma perna às costas e sem ficar de língua de fora. Mas falta o resto. Ai hoje está a chover, ai hoje nevou, ai hoje não dormi. Ai hoje vou e vou mesmo. E chego lá e está tudo ocupado?! Nem uma maquinazinha disponível para fingir que estou a levar os treinos à risca e muito sério. Não me parece nada bem. Nada mesmo!

É melhor...


sábado, 17 de março de 2012

Tio Alberto, um tio muito esperto...

Palavra de comadre! Pessoa, tal como seu marido, muito artística e entendida nestas coisas.

From Italy...

with love!
Fotografias, souvenirs, memórias... é! Isso e o quilo extra que se alapou e que nem à lei de passadeiras aceleradas, abdominais, pranchas e outras coisas estranhas quer voltar para Itália! E queria eu voltar à Toscana (ou Toscânia) num Verão tardio para passeios ao pôr do sol em Chianti... é melhor não! É melhor ficar quietinha no meu canto.

quarta-feira, 14 de março de 2012

terça-feira, 13 de março de 2012

Oui, c'est moi...

E pensava eu que a era capuchinho vermelho já... era.  Que tinha ficado algures no ano de 2011 quando uma situação semelhante ocorreu, quando o abuso ultrapassou a mais santa das boas vontades. Burra (ainda não muito velha) não aprende línguas nem pessoas. E continuo a mastigar em silêncio as palavras tortas de hoje. Os nervos que ainda não me deixaram dormir atiraram-me para o meu novo hobby (não sei muito bem para fazer o quê, mas que alivia o stress, alivia!).
Tudo muito moderno, tudo através da amiga internet (os ensinamentos). Apesar da educação infantil/juvenil ter compreendido estas e outras prendas (tricot, crochet, bordados, costura, pintura, música, dança, etc...) não me lembrava sequer como montar as malhas nas agulhas. Agora já faço tranças... o que esta gente me faz, mon dieu! Mas acho que para a próxima trago as aguarelas na mala e pinto a manta!!!

segunda-feira, 12 de março de 2012

Ui...

Ele há pessoas estúpidas! Pessoas que gostam de cuspir para o ar, que são muito fortes quando têm as costas protegidíssimas, grandes amantes de direitos e nada sujeitas a grandes obrigações. Tomam tudo como garantido e pronto! É assim. Pois que não será tanto assim. Ou pelo menos, não é essa a minha visão (mas o que é que eu sei?). Muito menos nesta época de crises e troikas e diabos macacos que só servem para complicar as nossas vidinhas já de si tão atribuladas.
Mas o que eu gostava mesmo (acho que não!) era de saber o que se passa nestas cabeças iluminadas quando puxam dos galões para exigir o impossível. Teorias indefensáveis e impraticáveis, especialmente no enquadramento que actualmente se vive.
Pois que estou amarga, acesa e com vontade de pegar numa ponta e acabar na outra. Tipo cortar a direito de olhos vendados. Pedidos especiais? Nop. Ai, um casamento, um aniversário, um evento de triatlo (o que este maldito evento anda aqui a enervar-me...)? Minha gente, não tenho nada a ver com isso. Estão a trabalhar, se não aparecerem justifiquem como quiserem. Agora não me façam perder dias e dias a arranjar forma de vos arranjar a vidinha e no fim encham-me (ok, foram só três) o caixa de correio com mails ridículos a reclamar o impensável. 
Oh... acabei de ter um ideia brilhante... queixem-se ao sindicato (aquele que não temos e que nos está vedado)! E já agora, estiquem bem a corda de preferência até ela rebentar... Depois conversamos ou talvez não.
P.S. - No fim enviar um mail fofinho cheio de graxa não surte grande efeito na minha pessoa, assim como também não funciona fazer comparações estapafúrdias.

De faca...

... e cremes de beleza, claro (quais alguidares, quais quê...)!
E se, de repente, ao cortar uma fatia de pão estiver mesmo a antecipar que a faca vai chegar ao fim do pão e continuar na mão (até rimei, credo!), isso é o quê? Burrice, of course! Ou falta de jeito, ou reflexos atrapalhados! Ou qualquer outra coisa pouco conveniente e promissora de uma velhice precoce. É o que é! Pronto... não era mais nada! Só uma ode à minha pieguice.
Ah e os cremes? Esses entraram em cena, como milagrosos curandeiros, ao desempenharem a sua função (coisas de make-ups e afins!) e levarem-me às estrelas e a outros nomes menos próprios. Mas o que arde cura, n'est-ce pas? Então vá lá a ver... andar para a frente, sim?!

sábado, 10 de março de 2012

Mudam-se os tempos...

Lembro-me de ser miúda e de não gostar de dormir, muito menos fazer as sestas obrigatórias ao fim-de-semana. Para mim era tempo perdido. Tempo para  brincar, pintar, sonhar... Quando a casa começava a mergulhar na calma e no silêncio (ambiente próprio das tardes de sábado e domingo), lá sentia eu o castigo a chegar... 
Hoje, já velhinha, e depois de uma dor de cabeça filha da mãe que ameaçava perturbar a mais teimosa das paciências... recuperei as forças e a boa disposição num descanso vespertino tãããão reparador. Cheers, sesta amiga!

Não há paciência...

Detesto perder tempo estar à conversa com cagari-cagarós! 
Eu tenho, eu fui, eu sou, eu fiz, eu isto, eu aquilo, eu, eu, eu... na maior parte das vezes é tudo imposturado ou empolado - se era para andar em pontas, deviam ter sido bailarinos! - Que (falta de) paciência... mon dieu de la France!

quinta-feira, 8 de março de 2012

Mulher...

[greve na Citroen, em defesa dos direitos adquiridos, de Willy Ronis (França - 1938)]

O Dia Internacional da Mulher é um dia para celebrar a Mulher mas… num contexto de luta por melhores condições de trabalho e de vida e pela afirmação dos seus direitos cívicos, políticos e sociais.
Esta não é, de todo, uma celebração delico-doce.
É a celebração das inúmeras mulheres que sofreram para que as mulheres de hoje tenham acesso, conforme a circunstância, a uma maior Igualdade.
Recordando as heroínas de ontem, homenageio as de hoje, que aqui, em Portugal, e por esse mundo fora continuam a contestar as injustiças sociais e a afirmar o desejo e a luta por uma outra sociedade.
Pedro Azevedo Peres

terça-feira, 6 de março de 2012

Gabriel...

E porque hoje é o seu aniversário, aqui ficam algumas das suas frases...

13 Linhas Para Viver


1. Gosto de você não por quem você é, mas por quem sou quando estou contigo.
2. Ninguém merece tuas lágrimas, e quem as merece não te fará chorar.
3. Só porque alguém não te ama como você quer, não significa que este alguém não te ame com todo o seu ser.
4. Um verdadeiro amigo é quem te pega pela mão e te toca o coração.
5. A pior forma de sentir falta de alguém é estar sentado a seu lado e saber que nunca vai poder tê-lo.
6. Nunca deixes de sorrir, nem mesmo quando estiver triste, porque nunca se sabe quem pode se apaixonar por teu sorriso.
7. Pode ser que você seja somente uma pessoa para o mundo, mas para uma pessoa você seja o mundo.
8. Não passe o tempo com alguém que não esteja disposto a passar o tempo contigo.
9. Quem sabe Deus queira que você conheça muita gente errada antes que conheças a pessoa certa, para que quando afinal conheça esta pessoa saibas estar agradecido.
10. Não chores porque já terminou, sorria porque aconteceu.
11. Sempre haverá gente que te machuque, assim que o que você tem que fazer é seguir confiando e só ser mais cuidadoso em quem você confia duas vezes.
12. Converta-se em uma pessoa melhor e tenha certeza de saber quem você é antes de conhecer alguém e esperar que essa pessoa saiba quem você é.
13. Não se esforce tanto, as melhores coisas acontecem quando menos esperamos.

Não sou supersticiosa mas para não ficar com este número a aqui a pairar, vamos a mais uma:
"O mais importante que aprendi a fazer depois dos quarenta anos foi a dizer não quando é não." 
A ver vamos se tenho essa capacidade (quando lá chegar... quando lá chegar, ainda falta!!!)

Gabriel Garcia Marquez

sábado, 3 de março de 2012

Um gelato por dia tão bem que me sabia...

... e soube a frutos do bosque, chocolate azteco, chocolate fondant, canela, clementina, creme de ovo, pinhão, avelã, straciatella, morango but the Oscar goes to... Rosemary Baby (framboesa e rosmaninho) e agora sabia bem ter um brinquedo destes para inventar mais umas coisas boas!

Allô, allô...

Aqui a sofazar um bocadinho (entre malas) e vejo que o programa FamaShow promove um passatempo (ou rubrica) onde as pessoas são convidadas a enviar fotografias com os famosos. What? E não é que não conheço ninguém (dos ditos famosos, claro!). Mas em que mundo vivo eu? Concluo que sou uma TVexcluída!!!

Home sweet home...

Hoje e ainda de ressaca de turista fora de tempo (ou de espaço) agarrei na bicicleta da sobrinha M e fui à mercearia da esquina comprar iogurtes para o pequeno-almoço. 
Disparate nº1 - não é boa ideia andar em bicicletas uns quantos números abaixo (raio da roda)
Disparate nº2 - a esquina afinal tinha muitas esquinas pelo meio e fartei-me de pedalar
Disparate nº3 - esta coisa de termos subidas e descidas acentuadas não ajuda nada à prática destas actividades saudáveis
Resumindo, estou cada vez mais convencida que uma Vespa será a escolha mais acertada para esta nova vida de campo/praia.