quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

De vez em quando...

... venho aqui para trabalhar um bocadinho. Só de vez em quando. E gosto, gosto muito desta cidade pequena, calma e organizada. Por vezes imagino que era capaz de viver aqui, uma vida confortável. Talvez tudo demasiado certinho, mas depois... depois, não tinha o mar e o sol português que aquece esta alma lusitana, mas... teria outras coisas, sem dúvida! A pensar...

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

As malditas das hormonas...

... para não dizer outro nome mais erudito!!! Ia ficando maluca, quase que estragavam as férias e deitava tudo a perder (o que levou algum tempo a construir). E tudo porque não conseguia sentir de maneira diferente. Eu sei, é só stress (diz que sim e que também!). Obra do senhor diabo, é o que é!!! Turbilhões de emoções, nervos à flor da pele, pieguices (nunca mais volto à clinica do pico - que vergonha) e mais uma catrefada de mixed feelings, mood swings e outras coisas fofinhas que não interessam nada! Eu fui de férias e a minha razão também, só que para outro lado qualquer, I´m sure! O que vale é que ambas tínhamos bilhete de regresso... Ufa!

A vida e a blogosfera...

...têm destas coisas, coisas de telenovela! Ontem num jantarito surpresa (tardio, muito tardio), com vista privilegiada sobre a cidade, dei por mim a olhar para a mesa do lado e a "ver" dois bloggers e a sua história de encontros e desencontros. É que não sou mesmo nada cusca, a minha cusquice resume-se (quase) à blogosfera. Não é só por virtude (diz que sim), mas também por falta de tempo (a minha vidinha já preenche o horário nobre na íntegra). Mas não consegui deixar de verificar que aquelas duas pessoas encaixavam lindamente no "boneco" que eu criei nesta cabeça tonta. Ele há coisas...

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Era uma vez...

... um pico tailandês, que vivia numa ilha pequenina de nome difícil e estranho. Este pico tinha um sonho  que o perseguia há já muito tempo. Quer enrolado na areia quente, quer banhado por aquelas águas mornas, o sonho teimava mais forte. Era alimento para aquela alma pequenina de pico. Este pico tinha o sonho de voar. Não queria mais nada, só um dia ir lá acima conversar com as nuvens, cumprimentar o sol e admirar a lua de perto. Só não sabia como alcançar este feito. Pensava, pensava e nunca tinha encontrado uma resposta a tal anseio. 
Um dia conheceu uma flor. Pediu-lhe tanto para o levar a voar, a conhecer outros mundos. Ela recusou vezes sem conta. E ele insistia, insistia e a flor resistia. Na última tarde de praia, à traição, senhor dom pico ferrou-se no pé da flor e não a deixou mais. Muitas tentativas (vãs) para deixar este pico intrometido na sua terra e nada de nada o faziam mudar de opinião. Pinças, bisturis, agulhas, dedos e mais dedos, uma enfermeira e um médico e o pico ali estava, confortavelmente instalado. 
O seu sonho (pesadelo de dona flor) concretizou-se, voou mais alto mas uma anestesia dura, umas lágrimas e uma agulha matreira acabaram com este pico maldito, mas agora senhora dona flor coxeia...

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

A vida é um jogo...

e a mim, embora não goste muito, saiu-me (como numa rifa) o futebol. Podia ter sido uma coisa mais fofinha como um polo aquático ou qualquer coisa que meta água para eu não meter mais água, mas não... foi o que foi! E como o João Pinto (acho que foi ele) disse há uns anos atrás, a minha vida deu uma volta de 360º. Agora só falta saber se foi uma volta completa ou se há mais fichas para mais voltas!!!

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Um recadinho...

Dear Mr. D,

Eu sei que o senhor não vai ler este meu pedido, pois é muito ocupado e não tem tempo para as minhas frescuras... Já eu tenho que ter, não é verdade???!!!
Eu estou de праздник, faço estes desenhos para que não haja lugar a dúvidas! F É R I A S! Habituei-o mal, (mea culpa, mea culpa, mea culpa), tenho estado sempre on duty, on call, on stand by 24/7. Sempre do outro lado do telefone. Mas agora ganhei coragem e, assim sem mais nem quê, ousei marcar 16 dias de férias. Eu sei, que bruta, para cima de um balúrdio de dias! Mas pronto, uma vez não são vezes, e com certeza não se vai repetir brevemente. Mas desde que vim para este lado do mundo (por sinal, não um destino de férias por aí além) aproveitar o sol e o mar, ainda não houve um diazinho só que não enviasse e recebesse mails, relatórios e mensagens. Já para não falar naquela chamada à 01.00 am com uma chantagenzinha barata a atirar para a birra infantil. Desista... não vai acontecer... Para ficarmos amiguinhos outra vez, refaça lá a sua agenda e adie tudo lá mais para o fim do mês. Deixe-me descongelar as ideias... Pode ser?

Brgds,
Papoila

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011