sábado, 31 de dezembro de 2011

Coisas do coração...

Foi com o coração que celebrei o Ano Novo de Moscovo (engoli o meu desejo escrito num papel queimado e afogado em champagne - manias tradições esquisitas locais), vai ser com o coração muito apertadinho que vou comemorar o Ano Novo de Lisboa (longe dos meus e de tudo o que faz sentido) e vai ser com o coração já solto (ui, 3x champagne) que o Ano Novo vai acontecer neste fuso horário em que me encontro.  Feliz Ano Novo!

At the end of the day (year)...


That's all that really matters!

I wish...

Feliz Ano Novo

E o último dia do ano...

chegou! E com ele chegam as promessas e os sonhos de um virar de página que não é senão uma repetição de histórias com mais ou menos sabedoria, mais ou menos vontade, mais ou menos liberdade. Então façam um bom balanço em 2011 para entrarem cheios de força em 2012! Aos saltos, com passas e desejos a realizar.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Agora calhou-me a mim...

Esta coisa do blogger, que já conta com algumas queixas (nunca minhas), agora decidiu incluir-me na lista negra. Então reza a história que não é possível deixar comentários. Nem aqui nem em blogs alheios. Pronto, alguém achou por bem trancar-me no escuro. Mais um castigozinho para ver se deixo de ser chatinha!

Quero muito...

Quero muito este livro para mais umas sessões de alquimia na minha cozinha (nova! - vai ser bom, vai correr bem, inspira, expira - tenho que ir contrariando esta minha aversão a espaços novos). Recomendadíssimo pelo colega que o tem e que já fez as receitas todas e aprovou (aposto que também provou!).
Hoje votámos no Cherry Garcia - não é o meu favorito, mas... deixa-se devorar, o sonso (do gelado, claro)!

O Natal português...

As lareiras fumam sempre mal, as cunhadas nunca se calam, os primos têm sempre manias de grandeza e o vinho acaba inevitavelmente em lágrimas! Parece que sim...

Argh...

Eu acho que vou chegar mesmo atrasada...

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Ai, ano novo, ano novo...

Eu e a minha paranóia dos duches e higienes pessoais e afins roubam-me assim um bocado de tempo, para além de já ter tido uns incidentes menos simpáticos, ora com a fita dentária e um lábio cortado ora outras coisas menos próprias para serem aqui descritas. Mas é o meu momento. Lava-se o corpo e limpa-se a alma. E agorinha mesmo e num ritual diário frente ao espelho penso com os meus laços (à falta de botões), que só quero ir para casa. Chegando a casa, vou esquecer este pesadelo por uns tempos. Vou retemperar forças e ganhar uns anticorpos para recomeçar tudo de novo e vou voltar mais forte e qual Padeira de Aljubarrota venham eles... de repente gelo. Esta vai ser a primeira vez que quando voltar a casa, volto para uma casa diferente. É que entretanto mudei-me (antes de vir) e esqueci completamente (até agora)! Eu aqui a ansiar pela minha zona de conforto, o meu reino e vou dar com paredes novas, ambientes novos, sons novos. Isto não  me está a correr nada bem. Logo eu que sou tão avessa a mudanças... Argh!

Estou pior...

Esta coisa da introspecção não me está a fazer nada bem à cabeça! Não está, não! Tenho mesmo aqui ao lado uma coisa destas e ainda não lhe toquei. Isto está pior do que eu pensava...

Take II...

Mais um dia de clausura ou retiro ou seja lá como lhe queiram chamar. Mas hoje não me apeteceu aturar ninguém. Acordaram-me cedíssimo com o telefone e uma pergunta parva. Acordei o Tico para responder à pergunta. Já que estava acordada, vi o mail, respondi ao que tinha que responder (versão Papoila seca!), li umas páginas e decidi que devia voltar a dormir. Voltei a acordar com o telefone e outra pergunta parva (da mesma pessoa)! Já não eram horas de dormir e achei que devia despertar para a vida. Assim de repente, parece que obliterei dois dias à minha vida. Não sei. Talvez não. Isto tem estado em ebulição e alguma coisa vai acontecer. E alterno entre o sonho, uns pensamentos (parvos?!) e as leituras e volto ao princípio quando me aborreço.
Eu sei que sou estupidamente honesta (estou no sítio errado, estou no sítio errado, senhores!), acho que chego mesmo a roçar a burrice mas totó é que não sou e não danço ao som da música que tem estado a tocar. E, molinha como sou, normalmente magoo-me. Enervam-me. Acabo sempre a apanhar cacos. Mas quando abusam (muito, mas muito mesmo!), chateio-me e depois acabou-se. Daqui já não levam mais nada. E parece ser esse o modo em que estamos a entrar. Trabalho de equipa e tal mas vejo cada um com a sua agenda (interesse) e o resto são batatas. Ora mentiras e imposturices é que não. So sorry mas não consigo digerir. Não passa. Ora desafiada (e muito apoiada) por sôdona chefinha querida, outras oportunidades surgirão. Talvez mais incertas, talvez mais trabalhosas. Muitas interrogações. E a essas interrogações ando eu a tentar encontrar respostas... Ano novo, vida nova e fosse eu mais organizada e mandava tudo às urtigas. Com muita pena minha, não posso. Mas como, apesar de ter vendido à alma ao diabo, não estou presa, parece-me que está na hora de começar a olhar para outro lado e arranjar outra camisola para vestir. Talvez uma mais fresca, que eu cá não gosto de me sentir uma cebola com tantos agasalhos. Um passo de cada vez. E amanhã será outro dia.
Só preciso de acreditar mais em mim e organizar-me! ORGANIZAR-ME!

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Hoje foi o dia...

Hoje dormi muito. Dormi para recuperar as forças, para esquecer o mundo, para alinhavar ideias. Muita introspecção. Foi dia de não fazer nada ou quase nada. Dormi. Joguei a um jogo manhoso no telefone para ultrapassar o meu próprio limite e anestesiar o neurónio. Voltei a dormir. Li. Li muito. Li mais ainda. Respondi a dois mails e fechei o email. Pus-me invisível no Skype. Fui ao Facebook só duas vezes. Li outra vez. E mais outra. E outra. Escrevi postais de Natal para os colegas (por aqui o Natal foi hoje!). Personalizei-os. Empiriquitei-me e encontrei-me com os colegas para o jantar de Natal. Ganhei umas beijocas pelos postais (how thoughtful, dizem eles! Um amuou porque chamei-o de grumpy - eu disse que eram personalizados!). Restaurante XPTO, super carérrimo (o patrão pagou), comida boa. Estive presente mas só de corpo. E a questão mantém-se. Vale a pena? Hoje acho que não. Amanhã é outro dia.

sábado, 24 de dezembro de 2011

É Natal, é Natal...


E é com os olhos marejados que começo este Natal sem grande sentimento sentido. Deu-me para a lamechice, a lágrima fácil. Deve ser fruto da época. A catadupa de elogios proferidos não ajuda a manter a tão esperada compustura. A máscara caiu e hoje vai ser um dia de trabalho passado a morder os lábios. À noite estoura-se o saldo em vários telefonemas para as pessoas que realmente contam e que hoje, mais uma vez, vão estar tão longe. Eu vou estar tão longe destas minhas pessoas. E mais lágrimas para ajudar à festa entre sorrisos e promessas e muitos sonhos.
Feliz Natal!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Dia de cão...

Foi muito pior que isso. Estiveram presentes todos os animais da selva. Uns verdadeiros selvagens. Esta gente sem escrúpulos que se move (e vende) ao som dos biliões. Só porque têm muito (falta de carácter, principalmente) pensam que controlam tudo e todos. E a verdade é que o fazem. Todos os dias. Hoje deixaram-me a cabeça em papa, em água, desfeita. Acho que fiquei mesmo sem cabeça. A vontade de bater com a porta, de virar a página de mandá-los para todos os lugares hortícolas que me viessem à ideia é pouco. É muito pouco. 
Gentinha burra que vive na era soviética e que pensa que manipula o mundo pelo medo. E a verdade é que o faz. Todos os dias. Soluções irrazoáveis, incompatíveis, ilegais não amolecem corações de ferro. A cortina ainda está presente. No sentido inverso. Não pertencem. Não fazem parte. E vai levar muitos anos a chegarem à essa outra realidade. A nossa. A actual. Só têm biliões. É só mesmo isso. Falta tudo o resto.
Em vésperas de Natal, que para eles representa 0, estamos (estrangeiros) aqui a dar os três litros. Porque eles não o sabem fazer. Demasiado corruptos. Demasiado vendáveis. Demasiado ignorantes. Olhos vendados (pelo tecido que sobrou da cortina). Burros!
E chego ao fim do dia com o coração apertado porque fiz o máximo e não agradou. E chega-se a um compromisso nada adequado, mas o possível. E falta o ânimo para o dia seguinte. E há o dia seguinte. E não há abraços nem beijos da família ou amigos. Só desta família que já foi adoptada mas... sabe a muito pouco.
Antes de morrer na praia, envia-se um último email. O derradeiro estalar das pipocas ameaça destruir a panelinha (a palavra foi mesmo sua, seu palerma!). E a luz ao fundo do túnel acende-se. E há esperança. E corda à volta do pescoço rebenta. E sou livre. E estou aqui estou a voltar para os produtos hortícolas ou outros bem mais apropriados. E amanhã é outro dia e até parece que é Natal e o meu presente foi o melhor que podia ter desejado e recebido (acompanhado de um puxão de orelhas iluminado, confesso!).
E com outra alma, outra vontade, despeço-me deste dia confiante que amanhã será muito mas muito melhor. Sem medos. É para avançar.
Feliz Natal!

Infelizmente...


... continua muito actual! Na Etiópia, na Somália, na Eritreia, no Sudão, no Quénia, no Uganda, no Djibuti e em muitos outros lugares... mas não é preciso ir assim tão longe assim!!! A fome mora em todos os países. As profundas desigualdades na distribuição da riqueza no mundo, a corrupção e o egoísmo dos muito poderosos, o esbanjamento de recursos nos países mais ricos, o consumismo exacerbado e a qualquer preço, as jogadas políticas e económicas com interesses muito peculiares atingiram actualmente proporções chocantes que afectam milhões de pessoas que morrem à fome. Todos os dias. Depois... no Natal lembramo-nos dos mais desfavorecidos e desafortunados e acabamos por agradecer não sermos nós a passar por tais demandas... mas durante o resto do ano... olhamos para o umbigo!

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Diz que sim...

... e de repente dizem que é Natal e o Inverno já chegou e tuditudi! Tenho que acreditar embora ainda não tenha vivido sentido nada... (lá está a história do compromisso!).

sábado, 17 de dezembro de 2011

Coração sofre...

Estes caíram-me nos braços (em sentido figurado, claro está!). É uma longa história mas desprovida de qualquer interesse e envolve arritmias e tudo. Não vale a pena reviver a angústia. Afinal dizem que tudo está bem quando acaba bem, n'est-ce pas?

In love...

... por este senhor designer, o diabo em figura de gente! Muitas outras peças agarraram-se ao coração da minha pessoa, muito em especial a colecção Utopia e Charade. Com a desculpa esfarrapadíssima da casa nova, não resisti a mais duas tralhinhas que passaram a fazer parte dos meus dias e acabam, também, por contar a minha história.
P.S. - E só não se agarrou mais nada porque o excesso de bagagem não permitiu! Ui, ui, ui...

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Um presente de Natal...

Se eu tivesse, à porta da minha vida, duas caixinhas suficientemente grandes para pessoas, este coraçãozinho andava mais tranquilo. Andava, sim!

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Eles inventam coisas...

... muito giras e funcionais (espera-se!). É uma galocha para sapatos. No fundo, é uma capa de borracha que se calça por cima do sapato para o proteger da chuva. Não só o torna impermeável como, supostamente, mais confortável (diz o mulherio que já experimentou). Esta "trench coat" para saltos altos não estraga o sapato, aliás prolonga-lhe a vida e parece que evita aterragens de emergência!!! Claro que ainda não está disponível em Portugal, mas é possível comprar online no site da marca - Swims -. Lá que são giros, são! E se é para manter os sapatos em melhores condições durante mais tempo, pode ser que valha o investimento. A ver vamos (eu não vou ver grande coisa, porque o meu espírito americano leva-me a andar com sapatos confortáveis na rua e a trocar por outros quando a situação o obriga!). E, desta vez, incluíram os homens no público alvo, embora eu duvide da adesão dos machos a estas mariquices (até porque não são tão trendy), mas...

P.S. - Falta a galocha para enfiar o salto do sapato. É que a calçada portuguesa has no mercy quanto se zanga com os saltos.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Do outro mundo...

Eu, que não sou de superstições, destinos, coincidências ou astrologias, quer-me cá parecer que o cosmos está desalinhado e anda a fazer das dele. Eu até tinha grandes esperanças no ano de 2011 mas tenho para mim que não vai acabar lá essas coisas. Hum...

sábado, 10 de dezembro de 2011

???

Já fiz isto tudo! E agora?

Um desabafo...

Não gosto do tio Tom Cruise. Nem frito, nem cozido nem aos saltos no sofá da Oprah (ai que possidónio!). Já vi uma mão cheia de filmes com ele e nunca conseguiu convencer esta minha alma atravessada. Não vi todos os filmes com Sua Eminência porque não tenho a paciência necessária para tal. Aquele ar ai-que-giro-que-sou-mesmo-que-não-tenha-assim-tanto-talento-como-quero-fazer-crer faz-me bocejar (a reter: talvez uma cura para as minhas insónias!). Como ultimamente tenho andado muito achacadinha dos nervos e foi-me aconselhado não guardar nada para não correr o risco de um piripaque ou algo pior, pronto... já deitei cá para fora. É mesmo missão impossível digerir este senhor! E vem aí mais uma...

Quem tem amigos...

Presente virtual, acabadinho de receber, de uma amiga que não vejo desde Maio (aqueles breves minutos e dois dedos de conversa num encontro inesperado no hospital não contam. Não podem contar!!!) com a qual tenho um jantar combinado e adiado desde o mesmo dia.
Irónico? Não. Necessário, em overdose!!!

Sabedoria virtual...

As coisas que nos entram pela casa dentro desde que o mundo virtual compete com o mundo real em todas as frentes! Coisas sérias, coisas menos sérias, amores e desamores com mais ou menos humor, despedidas, presenças, enfim... uma verdadeira operação polvo!
E se dizem que uma imagem vale por mil palavras (nem sempre, nem sempre!), esta grita aos quatro ventos. Eu cá acho.
P.S. - Pena que os alemães sejam uns convenientes desmemoriados!

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Dizem que mudar é bom...

Primeiras (e únicas) decorações de Natal perdidas na 1ª casa! A árvore ficou meia feita (ou desfeita) e o restante em caixotes com etiquetas. É o que dá mudanças fora de tempo e principalmente sem tempo! 
P.S. - Querido Pai Natal, as meias ficaram penduradas ao lado da lareira. Espero encontrá-las mais gordinhas quando chegar, sim?!

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Pirosona...

Tenho:
Quero:
Eu sei, sou uma pirosona de primeira! Mas aqui faz muito frio e eu ainda estou a ressacar do susto de ontem e nada melhor que uma ida às comprecas para pôr as ideias em ordem. Tenho dito!

Ontem, hoje e amanhã...

Não tenho tempo para comer, dormir ou escrever... Em dez dias, almocei 4 vezes e jantei 1 vez! Tornei-me escrava do trabalho e perdi-me neste turbilhão desenfreado até ontem. Ontem acordaram-me deste torpor maligno. Ontem vi o túnel, a luz e um flashback. Ontem não fiz planos para hoje... mas devia! Ontem já passou mas podia ter ficado presa nele! Presa naquele charuto de metal que nos transporta rapidamente (mais ou menos) de um ponto para o outro. Que faz o tempo voar para a frente e para trás e deixa-me sempre com um bittersweet taste esquisito e difícil de explicar!
Ontem foi dia de vir para esta segunda casa. Dia este que se repete há mais de 4 anos. Mas ontem o destino quis que este dia fosse diferente. Quis que eu me lembrasse que a vida está a acontecer e é aqui e agora! E depois de 5 minutos de desespero acalmo-me e espero que os outros 25 aconteçam rápido e, se possível, com um final feliz! Ontem eu consegui chegar a hoje e hoje eu quero mudar o meu amanhã.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Overwhelmed...

No time to eat (properly) or sleep (properly)! O pão passou a ser o melhor amigo. Qualquer coisa para preencher (ou encher) o estômago and keep going! A casa está upside down (assim como o meu cérebro). A Sôdona engomadeira está a aproveitar-se da situação (a ser substituída asap). A relação com o chocolate foi reforçada, assim como as dores de barriga (I wonder why...). A paciência foi de vacances e levou o Facebook, a blogo e tuditudi (também levou o Natal!) Just work, work, work... porque vendi a alma ao diabo e o raio da crise e do FMI e sei lá mais o quê fucked up my life (pardon my french!).

P.S. E esta coisa do português/inglês já faz parte do que passei a considerar normal, diário e rotineiro!

sábado, 26 de novembro de 2011

Greve de portugueses...

Ontem foi dia de greve e ontem eu queria regressar a este Portugalito (de tanga, não da tanga!). Poucos voos disponíveis, claro está! Mas depois de chegar a Frankfurt e já com o regresso confirmado foi esperar... esperar... até todos os passageiros (maioritariamente portugueses) verem a luzinha verde que permitia o embarque. O discurso foi feito em alemão, em inglês e num português abrasileirado (ainda não percebi porquê mas é sempre assim) e eis que em vez da fila normal de acesso à porta de embarque só vejo um aglomerado de pessoas aos empurrões, a esbracejar e com ganas de aniquilar quem ousasse passar à frente. Eu, mariquinhas como sou, deixei-me logo ficar para trás (queruzes, queredo!). A cena foi de tal forma insólita que a senhora da companhia aérea acabou por dizer que não valia pena aquele stress todo porque havia lugar para todos. Ora aquela coisa é um avião, não um autocarro ou comboio que fecha as portas e pronto... quem entrou, entrou... quem não entrou, espera o próximo! Não! Parece-me a mim haver toda uma logística de suporte a este meio de tranporte  que o diferencia dos restantes: ele é imigração e alfândegas e controlos de segurança e tira sapatos e cintos e líquidos e bling blings e o diabo a sete! A uns passos de distância só pensei... Ai, que labreguinhos que somos!!! 

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Pecularidades...

Estou trocada, zangada, esgotada, já não sei em que fuso horário vivo e a pedir a todos os santinhos (andam surdos) que a greve geral não atrase o meu regresso a casa (take II).  Com mil coisas para fazer, dou por mim a observar um senhor que está sentado à minha frente e que, seguramente veste qualquer coisa como XXXL, está agradavelmente (para ele) a devorar um prato com 6 petits (grands) fours! Tenho para mim que deviar ocupar-me com outras coisas e deixar o senhor em paz com os seus bolinhos cheios de creme. Ooops... os bolos já eram!

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Dia de maluqinhos...

Saltar da cama às 07.00 da manhã, após umas horas manifestamente insuficientes de sono e levar familiar 1 (que está com o carro na oficina) ao hospital A. Ligar ao familiar 2 porque levou as malas de viagem emprestadas e não as devolveu atempadamente e agora são precisas para ontem. Desencontrar-me com o familiar 2 no meio de uma chuvada. Conseguir recuperar as desejadas valises. Levar familiar 1 ao trabalho. Quase. Voltar a levar familiar 1 ao hospital para levantar justificação de falta. Fazer o percurso inverso e despejar familiar 1 no trabalho. Levar familiar 3 ao hospital B. A meio caminho receber dois telefonemas e uma meia dúzia de emails e mudar os planos do dia. Repensar estratégia. Deixar familiar 3 no hospital e telefonar a familiar 4 para fazer o acompanhamento. Ligar a familiar 1 a informar da nova agenda. Correr para casa para fazer malas, enviar emails e muitos telefonemas. Respirar telefone como se fosse oxigénio. Almoçar a correr enquanto o Dr. Phil e os convidados exercitam a arte do disparate. Correr para o aeroporto e perder o voo X, não poder apanhar o voo Y que está atrasado e impede a 2ª ligação. Mais três telefonemas. Fugir da senhora 1 das promoções. Recuperar bagagem. Fugir da senhora 2 das promoções. Ligar a familiar 1 e passar meia hora em pé nas partidas a enviar mails e pendurada ao telefone tipo maluquinha a tentar resolver o impossível. Aproveitar o resto do dia perdido para ir tratar do papel de parede e dos cortinados. Levar familiar 1 a comprar qualquer coisa com nome de HDMI. Ficar à espera no carro e adormecer. 
Dia de maluquinhos ou vida de maluquinhos???
Amanhã... take 2!

sábado, 19 de novembro de 2011

Compromissos...

Hoje o senhor que me conduziu ao aeroporto, um argentino de meia idade, era um conversador nato e, contrariando a minha natureza mais reservada, convidou-me ao embalo daquela troca de galhardetes em que um diz mata e o outro responde com um esfola! A viagem de 50 minutos passou a correr... e a conclusão foi... o compromisso!
Gostava de viver em Manhattan mas como não tem 6 milhões de dólares e não está para viver num barraco nem partilhar alojamento, vive em New Jersey numa casa simpática, confortável e espaçosa (segundo o proprietário). Vive perto o suficiente para respirar o ar cosmopolita que tanto deseja sem chegar ao fim do mês com a conta a negativos. O seu compromisso. Não gosta de estar fechado e tem feito do transporte seleccionado de pessoas o seu ganha pão a maior parte da sua vida. Outro compromisso. Não gosta de chefes, nem controlos apertados, trabalha para um português bem disposto que só lhe exige bons resultados mas cujo trabalho é variável. Mais um compromisso. No seguimento destas apresentações surgiram perguntas também. O que fazia, onde vivia e muitos porquês para os quais a minha resposta é a mesma... é o meu compromisso!

domingo, 13 de novembro de 2011

Foi a loucura...

E entre emails, telefonemas, faxes (ainda sobrevivem), Skypes, BBs e Iphones a apitar constantemente e fora de horas (com actualizações e alterações por mimos, birras, amuos e tudo o que mais lhes aprouver) entro numa espiral consumista desenfreada com os Dream Angels! Foi o descalabro total!!! Acho que vou ali castigar-me (não sei muito bem com quê) e não sei quando volto... 

É oficial...

 Esta foi a condecoração atribuída pelos coleguinhas, por unanimidade,  no jantar de ontem. Tenho para mim que já falavam estas coisas todas nas minhas costas, mas ontem foi o dia em que perderam a vergonha, o embaraço e, entre um Mai Tai e outro, abriram o jogo de uma vez!!! Malandrecos...

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Eu não acredito em bruxas...

E eu sei que aí já foi... mas para mim está a ser agora! Com chuva, com flores, com praia, com a APEC e com uma alucinada que me fez a cabeça em papa! Mas pronto isso também já passou...

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Batem leve, levemente...

Por aqui foi aberta a época oficial das patas de elefante (as minhas botas gordas de neve)! Faz frio, muito frio e só apetece sair à rua para pôr as ideias em ordem, como hoje aconteceu. Sentir o vento cortante na cara e olhar o infinito à procura de respostas que só eu as posso dar! Não está fácil...

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Dream green...

Esta noite (já era manhã) sonhei com verde outra vez! Quando este sonho acontece, normalmente o fundo é a preto e branco e há um detalhe (supostamente o mais importante) verde, que, obviamente, ganha destaque! Desta vez o mundo era a cores (modernices), três verdes pintaram este sonho: verde lima, verde maçã e verde árvore. Sim, por esta ordem! Será, tanto verde, sinal de esperança? Insha'Allah...
P.S. - Melhor do que os sonhos pretos que a minha irmã mais nova, sempre que se zangava comigo, me desejava!!! Amor fraternal! Puro e duro!

domingo, 6 de novembro de 2011

À caça...

Um susto tremendo ao ver o quarto a dançar ao ritmo de 5.1, onde tudo se movia lentamente mas com grande intensidade. Não houve vibrações nem tilintares nem nada do que eu já tivesse experimentado anteriormente, só mesmo a estrutura do edifício a ceder aos impulsos da terra mãe. Expectante do que poderia suceder, passei a noite em estado de vigília... a tomar conta de moi-même. De regresso a casa (à segunda) num estado de cansaço já sem forma nem norte, em completa ausência de consciência, perguntam-me em modo transcendental qual a cor aconselhada para umas HUNTER (???!!!). Em piloto automático, consulto o site e vejo botas de plástico de todas as cores e sinto o cérebro (o meu) a mirrar ao mesmo tempo que a posição na cadeira  se transforma num incómodo constante já sem posição possível... Pergunto se pode ficar para amanhã? Preciso meeeesmo de dormir. Resposta: sim, mas preciso da tua ajuda para este caso bicudo... Ok, eu gosto das Poppy (claro), das Neon Pink, das Fuchsia, das Lemon, das Steel Blue, das Butter Cream, das Magenta, das Candy Pink, das Neon Green e das Apple Green. Isto aqui a ver as cores neste computador, se calhar ao vivo (e a cores verdadeiras) mudo de opinião. Espero ter ajudado. Podem sempre contar comigo para estas coisas de decisões importantes especialmente quando estou em modo oco!!!

O que achas das Red e das Iris??? Já não acho nada... estou a dormir!

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Confusões à parte...

E também faço parte dos confusos deste mundo. Não que use as pessoas, tento não o fazer. Mas por vezes sobrevalorizo as coisas e, consequentemente, posso estar a desconsiderar a necessidade de alguém que é, necessariamente, mais importante do que este apego que o mundo moderno nos faz ter às coisas! Confusões, muitas confusões...

terça-feira, 25 de outubro de 2011

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Para adoçar o amargo que anda à solta...

Hoje uma coleguinha querida ofereceu uma caixa de Bamboo Garden Icy-crispy Dragon Beard Candy a cada um de nós e, como o bendito do coleguinha não gosta de doces, eu fiquei com duas!!! Porque mereço, porque já estou a chegar aos limites e porque não sei para onde me virar... (tanta desculpa porque já comi 4 rolinhos maravilhosos)!
E agora vou só ali entortar os olhos com mais umas horas de computador em cima e não sei quando volto...

Uma abelhinha...

... pouco mestra, é como eu me sinto! Já me dói o estômago e a cabeça, só quero ir dormir e esquecer que agora vai ser assim e (cheira-me) muito pior. Com bolos se enganam os tolos e, eu, ou não sou tola ou estes bolos não prestam!

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Partilho o que partilham comigo...


‎Morre lentamente quem não viaja,
Quem não lê,
Quem não ouve música,
Quem destrói o seu amor-próprio,
Quem não se deixa ajudar.

Morre lentamente quem se transforma escravo do hábito,
Repetindo todos os dias o mesmo trajecto,
Quem não muda as marcas no supermercado,
não arrisca vestir uma cor nova,
não conversa com quem não conhece.

Morre lentamente quem evita uma paixão,
Quem prefere O "preto no branco"
E os "pontos nos is" a um turbilhão de emoções indomáveis,
Justamente as que resgatam brilho nos olhos,
Sorrisos e soluços, coração aos tropeços, sentimentos.

Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz no trabalho,
Quem não arrisca o certo pelo incerto atrás de um sonho,
Quem não se permite,
Uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos.

Morre lentamente quem passa os dias queixando-se da má sorte ou da Chuva incessante,
Desistindo de um projecto antes de iniciá-lo,
não perguntando sobre um assunto que desconhece
E não respondendo quando lhe indagam o que sabe.

Evitemos a morte em doses suaves,
Recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior do que o
Simples acto de respirar.
Estejamos vivos, então!


 Pablo Neruda

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Eu e os meus nervos...

Pronto, aquelas pessoas já estão a abusar e eu tenho uma proposta fantástica para todos: Ora, eu fico aqui em casa a fazer os TPCs (que esta gente parece ter esquecido), sempre agarradinha à tecnologia e até passo a ser uma expert nestas coisas e os senhores pagam-me o salário e não me obrigam a congelar, boa?
A mim parece-me fantástico! A bem da verdade, já não tenho idade para me enervar assim tanto... e todos ganham! Vamos lá a ver se nos entendemos... há sempre a alternativa do chicote!

Eu e meu mau feitio...

Pessoas, expliquem-me, porque anseiam pelo frio? Porque estão fartos do calor e do sol e dos bons humores e amores? 
Eu também tenho cachecóis quentinhos, botas novas e tapa orelhas super fashion mas ando tão contentinha da vida por continuar de vestidinhos de Verão, sandaletes confortáveis e bolas de berlim na praia que não consigo entender o porquê deste descontentamento. Irra que o bicho homem é difícil de agradar...

St. Peter, please, faça ouvidos moucos a esta gente!

Quando o telefone toca...

... assim, os planos fogem! Pronto, não há bolo da tia Leonor, mas vai haver outra coisa qualquer (cinema ou teatro ou jantarito) - tenho para mim que é um suborno (graxinha) - alguém anda a namoriscar um relógio e como amanhã é dia de festa... Hum, não sei... a ver vamos (confesso que não prestei a devida atenção ao pedido e já nem me lembro qual era o relógio, mas o lembrete... esse vem a caminho!

Apetece-me um chicote...

Acho que não gosto de ser polícia de ninguém mas pareço ter um talento natural para detective... as coisas atiram-se para o meu caminho! Não sei bem como mas já vem de há muito, desde que era miúda e nem tinha idade para perceber bem estas coisas das imposturices, intrujices, jogos de cintura e outras coisas que tais...
Com as ferramentas que a super tecnologia coloca à disposição do mais info excluído (moi-même) - se calhar não tão excluída como isso, mas bastante básica! - e apesar de alguns fusos horários de diferença, tropecei (lá está) em informação moscovita que me deixou os cabelos em pé! Pois que ser "presidente da junta" não é pêra doce! Até agora só recebi informação dos deveres, obrigações e responsabilidades. Direitos extra 0 (as in zero)! Mas não gosto cá de calculismos nem de bailaricos em pontas (se fosse ballet a sério no Bolshoi seria outra conversa, não sendo... dispenso!). Graxa... também não funciona! Graxinha da boa, só da sobrinha mailinda do mundo (não é sobrinha a sério a sério, mas feitas as contas ao coração ainda é mais)! De todas as outras almas... é devolvida normalmente como mensagem de erro e com efeitos futuros pouco simpáticos. Portanto, pessoas com as quais só obrigada a partilhar o meu dia-a-dia, peço-vos que não me aborreçam porque a idade pesa, a tolerância encolheu e ando agastada com outras coisas, sim?!

Agora que já conseguiram enervar o Tico ou o Teco (não sei qual deles estava hoje on duty), vou ali fazer um bolo para ver se acalmo.

domingo, 16 de outubro de 2011

Oh St. Peter...

... não leve as coisas tão a peito. Se for preciso, eu pago a multa ou arranjo outro caminho... Este fim-de-semana já não houve praia. Assim já não gosto. A bem da verdade, agora já não faz grande diferença mesmo. Outras temperaturas estão à minha espera. E um Verão de S. Martinho atrasado? Lá para o fim de Novembro... hum, St. Peter? Combinado?

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Esta crise...

O economista Vítor Bento à conversa com a tia Judite, e já no final da entrevista, diz que quer ilustrar com uma imagem (para que todos nós, burrinhos, possamos compreender) esta nossa travessia no deserto com um dobrar do cabo das Tormentas e "rezar" (palavra minha) por um Cabo da Boa Esperança. E quem será este Adamastor? É uma imagem muito explanatória (eu estava era à espera de exemplos reais e menos camonianos).

Desde quando...

... mas desde quando é que a Anatomia de Grey é um musical??? Ando mesmo a leste (literalmente) destas novidades todas!

Não devia...

Tenho para mim que se St. Peter insiste neste tempo maravilhoso eu vou acabar com uma multa para pagar. Certinho, certinho! Os senhores fofinhos que tomam nas suas mãos os sentidos das vias e, talvez por andarem aborrecidos, teimam em alterná-los ao sabor do vento ou do sol não pensam (mas deviam) em avisar as pessoas distraídas e ocupadas em ir à praia enquanto o frio não chega naquela mala que já está meia feita. 

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Comparações...

Enquanto vou e não vou, vou mesmo só ali à praia e já volto, sim?! -3ºC??? Já??? 
Levo a Isabel, a Maria e a Leonor mas parece-me que é a última vez que vão brincar na areia...

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Praia, sol, mar...

Porque senhor dom patrão disse que eu estava branquela e não combinava com as cores da nova estação, decidi fazer os trabalhos de casa com dedicação e afinco. Mas parece-me que amanhã tenho que voltar a repetir. Não tenho a certeza de saber a matéria de cor e salteado nem, tão pouco, estar preparada para o derradeiro teste.
Numa praia quase deserta, não por falta de sol mas porque as rentrées dos vários afazeres assim o obrigam, estive com a Isabel, a Maria e a Leonor - as damas do rei D. Manuel - e como não sou uma intelectualóide de alto gabarito também levei umas revistas (se calhar até sou, não cheguei a folheá-las!) e tive a excelente companhia da minha amiga bola de berlim com creme!
Há dias fantásticos e este foi um deles!
Obrigada St. Peter, agora já falamos muuuuuito melhor.

Porcos...

Hoje, como cidadã cooperante, fui colocar um monte de revistas velhas no Ecoponto aqui da rua e encontrei isto. Bom dia queridos vizinhos! É bom saber que vivo rodeada de animais... Arghhhhh!

Contrastes...

Isto é o que está guardado à minha espera (mais uns dias)...

e isto é para onde eu vou já, já!!!
ok, ainda sem vespa, nem scooter, mas com muita vontade!

Ao sabor do vento...

Depois de uns dias conturbados, as ideias, hoje (ok ontem, mas para mim ainda é hoje - same same!), foram arejadas pelo vento que soprava lá no Tejo. Dia para velejar, destilar (ui, calorzinho bom) e tremer de frio quando o sol viajou para sítios longínquos onde outras gentes o esperavam. Foi bom, foi muito bom!
E o sonho comanda a vida... e houve tempo para fazer castelos na areia e, quem sabe, um novo projecto!

domingo, 9 de outubro de 2011

Fracturas expostas...

O amor não é difícil (crença minha, claro, coisa de pessoa ingénua). Parece até coisa ligeira, simples e fácil de levar quando as batalhas se travam por causa de meias sujas abandonadas no chão, pó por aspirar e fraldas para mudar. Difícil é, quando a vida dá vergastadas a valer, sem ver onde e sem ver a quem, amar o suficiente para ficar e lamber as feridas.

E agora é assim...


Enquanto não hiberno, bebo chá (que não gosto, mas dizem que ajuda) e vejo os barcos a passar...

sábado, 8 de outubro de 2011

What goes around...


Ele há dias que parecem noites siberianas... escuros, frios, inóspitos. Enquanto há cortes, reestruturações com muitas invejinhas e intrigas à mistura, os senhores manda-chuva (às vezes mandam sol também, estes senhores fofinhos!) decidiram enfiaram-me numa escada rolante (no sentido ascendente - menos mal, menos mal!) e surge um convite impossível de não aceitar. Impossível mesmo! Porque... sim, é mais um desafio (e o que eu gosto destes desafios) e sim, ou aceito ou aceito! Não há escolha. Parece-me mais um presente envenenado mas são estas as regras que regem o Universo (às vezes penso eu de que!!!).
Simultaneamente tenho um assunto pendente que espera (e desespera) por resultados. Resultados esses que podem e vão fazer toda a diferença (fingers crossed)!
E porque não há duas sem três (dizem!), cai-me o mundo (um outro) aos pés com uma resolução que me vira a vida de pernas para o ar!
Estou com vontades (porque são muitas) de hibernar... por muitos meses! Entrar num estado letárgico profundo à espera que o mau tempo passe. E desta vez a culpa não é do St. Peter... e o que me apetecia era aproveitar este Verão fora de tempo! 
Nem posso ameaçar que vou emigrar... porque isso já eu faço metade do tempo!

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Everything else...

“Your time is limited, so don’t waste it living someone else’s life. Don’t be trapped by dogma - which is living with the results of other people’s thinking. Don’t let the noise of other’s opinions drown out your own inner voice. And most importantly, have courage to follow your heart and intuition. They somehow already know what you truly want to become. Everything else is secondary.” — Steve Jobs

Probabilidades...


Chegar a casa às 05.00 da manhã (culpa da MTV e da falta de organização), tomar o pequeno-almoço a olhar o rio e a cidade ainda adormecida. Descansar (finalmente) às 07.00 e acordar às 09.30 com um telefonema do escritório e fazer um esforço hercúleo para responder acertadamente a todas as perguntas (resultados colaterais que já se começaram a sentir de outras improbabilidades) é uma probabilidade macaca - eles não saberem (e não quererem saber) que é feriado aqui no jardinzito!